Sabado, 16 de DEZEMBRO de 2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

opinião

Os influenciadores não digitais

por Tainá Rios | Publicada em 27/11/2017 às 12h03| Atualizada em 28/11/2017 às 11h04

Além dos youtubers, dos perfis de moda no instagram e dos perfis com milhares de seguidores no twitter, existem alguns influenciadores que não estão nas redes sociais. Eles chegam de forma natural, não tem vinheta, nem abertura e muito menos uma música alegre ao fundo. Esses influenciadores são mais fortes que os digitais.

Apresento o primeiro: o mau humor. Chega sem pedir licença e deixa a nossa vida um caos. Normalmente, se apresenta na segunda-feira, logo depois do final de semana, do feriado prolongado e das idas à praia. E quando tem final de campeonato e o teu time de futebol não ganhou aquele jogo que seria barbada? Aí, meus amigos, é o momento perfeito para o Senhor mau humor mostrar as habilidades.

O segundo influenciador chama-se desânimo. Gosta de aparecer de quinta-feira em diante, depois de várias horas de trabalho intensas, de noites mal dormidas e de algumas idas ao bar com os amigos. Ele não quer saber os nossos planos para o fim de semana, muito menos se já combinamos alguma festa com os amigos, ele não quer fazer nada! Gosta de ficar sentado, não fala muito, acha tudo ridículo e não é muito bom para dar ideias ou palpites em reuniões de fechamento. Normalmente não está sozinho, vem acompanhado da preguiça. Esses dois juntos são ótimas companhias para uma tarde de domingo, com chuva.

Os influenciadores não digitais também trabalham com o lado positivo da força e para isso chamam a felicidade repentina. Ela vem junto de um sorriso bobo ao receber uma carta de amor, depois de um pedaço de bolo de chocolate ou de seguidas gargalhadas ao final de um episódio de Friends. Tudo vira flores com pássaros cantando ao redor. Infelizmente, essa boa sensação não dura muito tempo, basta um e-mail do chefe avisando que o expediente vai terminar mais tarde que tudo fica ruim e o Senhor mau humor volta a fazer companhia.

Então nos perguntamos: o que fazer? A receita não é tão simples assim, precisamos de muito exercício, atenção e autoconhecimento. Precisamos prestar mais atenção nas nossas atitudes para não deixarmos esses pequenos influentes dominarem os nossos dias. Vamos sorrir mais, ficar mais atentos as palavras que saem das nossas bocas e transformar os nossos ambientes mais harmoniosos e acolhedores.

 

 

 

Administrativo/comercial
51 3046-6114 - Ramal: 200
Redação
51 3046-6114 - Ramal: 202

redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari - repórter
Guilherme Klamt - repórter/imagens
Silvestre Silva Santos - editor/economia
Maiara Tierling - administrativo/comercial
Rosângela Ilha - diretora
Roberto Gomes - diretor
Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS