Segunda, 09 de DEZEMBRO de 2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

coluna do gustavo

A única coisa que importa

por Gustavo Guedes | Publicada em 18/09/2019 às 17h40| Atualizada em 23/09/2019 às 12h27

Nesta noite chuvosa do inverno gaúcho, desfrutando de um bom chá e apreciando uma leitura densa indicada por meu pai – A Sangue Frio, de Truman Capote – muito além da hora que costumo sentir sono, porque a narrativa é excelente e a história de tirar o folego, bocejei. Fui intercalando o consumo do chá e dos capítulos com bocejos, agora cada vez mais próximos. Decidi que era hora de encerrar o expediente e me preparei para dormir. Já deitado na cama, sem ler ou tomar nada, apenas aguardando o merecido descanso, eu bocejo.

Isso me incomoda. Bocejar deitado na cama. Se estou com sono e já estou deitado, para que perder tempo bocejando? Era para eu dormir, não abrir a boca e falar ãããããããã até meus olhos lacrimejarem. Gostaria muito de entender por que este fenômeno acontece. Aliás, gostaria de entender por que muitas coisas acontecem. E não sou só eu. Muitas pessoas perdem o sono por não entenderem algo. E para piorar, percebem que à cada nova descoberta, vão surgir novos mistérios para serem desvendados, concluindo o inevitável: jamais terão todas as respostas.

Estas pessoas, inconformadas com o incompreendido e movidas para descobrir o novo, perceberam o que realmente importa e, além disso, planejam e tomam atitudes em prol do que realmente importa. E isso também ajuda a perder o sono. Por um simples motivo: é humanamente impossível dedicar atenção integral somente a isso. Quando nos deparamos com as mais diversas situações da vida, as quais apenas consomem nosso tempo e energia sem que obtenhamos qualquer benefício significativo, passamos a nos incomodar por não estar efetivamente prestando atenção ao que interessa. Mas o que é essa tal coisa realmente interessante? Pois lhe digo: a ciência.

E a única coisa que importa é a ciência. Descobrir o novo. Dar o próximo passo. Entender o funcionamento da vida, do universo e tudo mais. O resto é burocracia. A busca pelo conhecimento nos guia desde sempre, mas somos impedidos de dedicar 100% dos nossos esforços para isso, pois temos compromissos como trabalhar, pagar boletos, fazer o imposto de renda, renovar o seguro do carro. Burocracia. Necessária para a nossa vida em sociedade, afinal precisamos morar e comer e nos locomover, mas completamente inútil para a ciência.

Pense bem, o avanço científico alimenta mais, move mais rápido, traz mais segurança, evolui o pensamento. Sem ele, não passaríamos de primatas apenas lutando para sobreviver na terra plana. Mas pensando melhor, apesar de importantíssima, ciência unicamente não supre todas as necessidades humanas. Tem algo mais que nos é tão imprescindível quanto o conhecimento e a descoberta de coisas novas. Existe outra grandeza da vida. Sobre a qual falarei na próxima semana.

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS