Terça-feira, 19 de NOVEMBRO de 2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

ubuntu viamão

Consciência Inconsciente

por Babá Phil | Publicada em 06/11/2019 às 13h23

“Consciência: o que permite o ser humano vivenciar, experimentar e compreender os aspectos do seu mundo interior.

Negro: cor escura que se assemelha a cor do carvão, do asfalto. Indivíduo de pele escura pelo excesso de pigmentação.”

As definições acima estão presentes no dicionário e resumem bem, embora separadamente, o que seria a tal da consciência negra. Trata-se da Compreensão do mundo interior dos indivíduos de pele negra, afrodescendentes que construíram essa nação. Contudo, não é só isso; o conceito de "consciência negra" tem um motivo e uma história, toda uma biografia que merece ser sabida principalmente por aqueles que ela atinge e que, infelizmente, em grande parte nem faz questão de conhecer.

Primeiro estabeleçamos que é uma necessidade e que nasce a partir do momento em que o negro passa a ser alvo da escravidão e segregado em razão dessa condição mesmo depois que ela já foi proibida; quando o afrodescendente continua sendo visto como um ser inferior, quase como um animal, fadado a ser criado para o trabalho ( e talvez só não foi para consumo também por falta de inclinações europeias ao canibalismo). Diante disso, foi preciso celebrar um marco na história para lembrar àqueles que foram hostilizados e aos hostis, a importância da consciência negra como parte inerente e igual à consciência humana, para marcar a atrocidade que não pode jamais voltar a ser cometida.

Cria-se, portanto, o Dia da Consciência Negra. A data faz referência a morte de um dos maiores guerreiros negros que essa nação já viu. Negro nascido livre, líder de um dos maiores quilombos do Brasil, que lutou junto aos seus pares contra a escravidão: Zumbi dos Palmares.

Batizado como Francisco em sua infância, Zumbi  foi morto em 20 de novembro de 1695, quase 200 anos antes do fim documentado da escravidão no Brasil. Sim, um fim "apenas" documentado e não oficial, pois mesmo libertos no papel, muitos "ex-escravos" naquele período foram obrigados a se manter em condições sub-humana porque ninguém queria contratar e tratar como um trabalhador digno alguém em suas condições.

Esse marco nos leva a refletir sobre tudo que fora conquistado até agora na continuidade da luta de Zumbi e sobre o que mais precisamos lutar e conquistar.

Uma guerra sem limites e sem data para acabar. Em uma sociedade em a população é majoritariamente negra, já falei aqui, cerca de 54%, e o negro não ocupa nem mesmo  20% dos cargos de destaque, mal conseguem galgar espaço nas universidades para virar "doutor" (muito ajudados pelas poucas políticas de reparação). Ah, mas terão os que dirão "é incapacidade", "foi por falta de mérito", mas eu digo que esses méritos dependem de vários fatores e jamais ninguém poderá dizer que na "corrida social", brancos e negros partem do mesmo ponto e com as mesmas oportunidades de vencer.

Isso significa que o dia da Consciência Negra também é o dia de se exaltar as políticas de reparação aos descendentes dos escravos; de compreender que elas têm um papel importante para que tenhamos um futuro diferente. Não cabe, contudo, celebrar nesse dia e ignorar nos 364 dias subsequentes. Devemos nos colocar para pensar se somente no dia da “consciência negra” devemos lembrar disso, se somente no mês de novembro devemos falar das chagas sociais do racismo institucional.

Esse mês é repleto de ações e atos que podem ser replicados durante o ano todo, afinal o negro existe na sociedade todos os meses. É preciso pressionar para que se façam cumprir leis como a 11.645, que torna obrigatório o ensino sobre cultura e história afro-brasileira e africana em todas as escolas, públicas e privadas.  Isso fomentando o jovem a pensar no verdadeiro papel do negro na construção do país, ensinando desde jovem que a cor de pele mais escura não faz de ninguém superior tampouco inferior, lapidando nas mentes de quem são nosso futuro  que ao contrário do que foi implantado durante séculos, o negro não representa perigo, que o que vem do negro não é perigoso, maligno, maldoso, e por fim mostrando ao próprio jovem negro que ele tem uma história de lutas e que ele pode e deve se orgulhar de sua origem. É necessário que se eduque a todos para que compreendam, aceitem e defendam que a consciência negra é principalmente para se conscientizar de que essa batalha não é somente do negro mas de todos.

Axé

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS