Quarta-feira, 21 de AGOSTO de 2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

O hippie do aeroporto

Publicada em 30/09/2016 às 18h35| Atualizada em 10/03/2018 às 12h04

Década de 70. Com um violão à tiracolo e uma sacola de lona verde estirada no ombro, lá vinha ele. Figura frequentadora da praia de Ipanema, no Rio de Janeiro. Instigante filosófo, poeta e esotérico. Atraía todos os olhares. Agora, voaria do Rio de Janeiro para São Paulo. Talvez procurando alguma editora para publicar seu livro. 

Lá vinha ele. Esteticamente bizarro. Já de jeans puídos numa época em que rasgado não era moda. Poeta urbano. De versos cotidianos. Frequentava as chamadas “Dunas da Gal”. Um espaço na praia para mentes arejadas. Notório no local, era o cheiro dos cigarrinhos de canela. Alguns cantores iam lá. Todo o mundo jovem e descolado do Rio ia lá. Curtiam seus “baratos”, bronzeavam-se, retiravam energia do sol e depois voltavam para os seus ateliês e suas redações. A maioria era gente da comunicação.

O hippie geralmente levava seu violão e seu tarô chinês para a praia. Jogava I-Ching para os amigos. Fazia previsões, mapas astrais e benzeduras. De tardezinha, saudava o sol que fechava o dia e começava a cantoria. Eram mantras sagrados, deliciosos ao ouvido e que mantinham o ar carregado de boas energias.

De dia, ele se reunia com um grupo de estudos zen-budistas. E à noite percorria os restaurantes da Zona Sul vendendo seus poemas. Geralmente confeccionados em forma de livros artesanais. Os versos faziam muito sucesso. Até hoje não sei se o hippie era carioca ou paulista. Mas sei que ele tinha uma aura poderosa. Encantava todo mundo. E vivia de vender poesia. Tinha humildade e não almejava nada de grandioso para  a vida.

Na sala vip do aeroporto sentou ao meu lado e leu alguns versos inéditos. Enquanto a locução alertava para a premente saída do seu vôo para São Paulo. Ele ajeitou violão, versos e bagagem, e saiu apressadamente rumo à aeronave. Distanciou-se em silêncio. De cima da escada, me surpreendeu. Acenou e gritou a plenos pulmões: “O avião é um pássaro triste, faça-o sorrir”! Após alguns minutos segui meu rumo. Porto Alegre me aguardava. 

E meu pai também. 

 

Últimas Ana D Ávila

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS