Sexta-feira, 23 de FEVEREIRO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

opinião

Imagem: Ana D Ávila/Arquivo pessoal

Árvores

Publicada em 02/02/2018 às 08h54| Atualizada em 02/02/2018 às 16h32

Sem elas, o ar que respiramos não se purifica. Impressionante é a estupidez humana em destruir as árvores. São poucas as pessoas que vivem hoje em áreas verdes, preservadas do terrível CO2 dos automóveis. Impossível a compreensão humana não atinar que é justamente o CO2 que está deixando o ar insuportavelmente abafado. E a maioria das pessoas que povoam as grandes cidades infestam seus pulmões com esta fumaça que destrói a vida.

Sou neta de uma mulher caminhante. Minha vó materna não usava automóveis. Não porque não tivesse dinheiro para comprar um. Mas por razões pessoais e ambientais. Ela amava as árvores e a natureza. Levantava cedo e empreendia sua viagem, de Morungava até Porto Alegre. A pé. Não gostava de motores, nem de cheiro de gasolina. Sigo sua cartilha, embora não seja uma ecologista atuante. Mas dificilmente ando de carro. Prefiro caminhar. E como diz o compositor Oswaldo Montenegro: automóvel só para grandes distâncias. E assim mesmo, compartilhado.

Mês passado cheguei ao litoral para desintoxicar do ar poluído da capital. Chegando à praia senti uma aragem maravilhosa: oxigênio puro. Especialmente naquelas manhãs em que o sol ainda não estava muito forte. A brisa salgada que vinha do mar emprestava ao ar um odor revigorante e saudável. Que, por algumas horas conseguia vencer o calor úmido e abafado que toma conta de Capão da Canoa no verão. Vindo da mesma forma, do mar.

Dei uma volta e voltei feliz. A natureza é tão inteligente. Como o ser humano conseguiu chegar a este ponto? Onde o problema, já é o simples fato de se respirar. Respirar gás carbônico diariamente cria doenças, intoxica, ataca as vias respiratórias. E as florestas e o mar absorvem o CO2 e transformam em oxigênio. Daí a boa sensação que se tem quando se está perto do mar ou das florestas.

Vivemos dias perigosos. Estudo recente da ONU dá conta de que estamos chegando a um ponto crítico de aquecimento global. Já está existindo modificações climáticas em todo o planeta, tempestades, aumento da incidência de raios e transformações de áreas outroras exuberantes, em assombrosos desertos.

É preciso que a humanidade reconheça o problema. Ao invés de derrubar árvores, plantá-las. Pois as florestas são produtoras de oxigênio e umidade. Necessárias a sobrevivência da vida. Ao invés de emitir o CO2 proveniente do uso abusivo dos automóveis, que se locomovam mais a pé ou através de bicicletas.

Vamos parar para pensar. A vida só é possível, compartilhada com muito verde. Em Viamão, temos uma enorme área verde e muitas árvores. Que a consciência ambiental prevaleça. Que  não exista  destruição. Como já está acontecendo nas grandes capitais. Que as árvores sejam preservadas, para a purificação do ar. Enfim, para o bem de todos.

 

 

 

Últimas Ana D Ávila

Administrativo/comercial
51 3046-6114 - Ramal: 200
Redação
51 3046-6114 - Ramal: 202

redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari - repórter
Guilherme Klamt - repórter/imagens
Silvestre Silva Santos - editor/economia
Maiara Tierling - administrativo/comercial
Rosângela Ilha - diretora
Roberto Gomes - diretor
Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS