Sexta-feira, 06 de DEZEMBRO de 2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Calientito | Crônica Ana Dávila

Publicada em 14/10/2016 às 15h45| Atualizada em 14/10/2016 às 15h51

As mulheres enfileiravam-se para serem atendidas. O café fervilhava nas tardes primaveris. Motivo não faltava. Um atendimento primoroso as esperava. Era o café mais famoso de Porto Alegre.

Por lá, um menu diversificado. E um atendimento “hollywoodiano”. Mas os fregueses raramente eram homens. A maioria, mulheres. De toda espécie e modelo. Altas, baixas, feias, bonitas, loiras, morenas, jovens, idosas e intelectuais.

Pablo, recém chegado de Montevidéu, era garçon na cafeteria. Falava um espanhol rasgado e servia calientes “cafezitos”. Segundo algumas freguesas, o melhor café era “com leche, pan y mantequilla”.

O garçon “hermoso” parecia um “gitano”. Chamava atenção, justamente, por ser uruguaio e bonito. Dava para entender a movimentação das mulheres na cafeteria.

E seus suspiros, quando Pablo se aproximava. Ele tinha tipo atlético. Moreno e alto. Diziam que era  gostoso como cheirinho de café recém passado. Realmente, uma atração.

Só trabalhava no período da tarde. A tarefa exigia muito esforço físico. E, equilíbrio, para não derrubar aquelas bandejas todas, atulhadas de cafés, tortas e salgadinhos.

As mulheres se divertiam. Apreciavam a beleza masculina. Lanchavam e, de quebra, testavam o “idioma espanhol”. Uma delas, Maria, pediu a Pablo uma torrada americana para acompanhar o cafezinho.

Pablo, indagou:

--- Cuchillo y tenedor?  

Maria ruborizou. Ele se referia ao “garfo e faca”. Ela pensou: Porto Alegre é tão perto de Montevidéu, vergonha não saber falar “garfo e faca” em espanhol.

No final da tarde, já exaurido por bandejas, mulheres e cafezinhos, Pablo saiu. Direto para a Feira do Livro, na Praça da Alfândega.

Outro motivo pelo qual era tão admirado pelas mulheres que frequentavam o café. Era mais intelectual do que garçon.

Adquiriu, na Feira, um livro de Mário Benedetti. Grande escritor uruguaio que Pablo conheceu em Montevidéu.

Foi caminhando pela Rua da Praia que Pablo se achou recompensado por mais um dia de alegrias vividas em Porto Alegre. Uma capital interessante e muito, mas muito próxima do Uruguai.

Maria foi pegar seu carro no estacionamento. Ao longe, Pablo, num entusiasmado aceno, bradou:

--- Adiós. Volte ao café. Volte sempre ao café --- disse ele.

Maria sorriu:

--- Si, si, voltarei!

Últimas Ana D Ávila

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS