Domingo, 21 de ABRIL de 2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

coluna da ana

Busca Existencial

Publicada em 22/11/2018 às 15h43

Pensando nas possibilidades da vida ela repensou seu caminho. Era necessário uma conquista. Sair da passividade. Conectar-se com Deus. Fazer valer a existência. Já tinha percorrido caminhos demais. Se humilhado demais. Escutado demais. Espelhado-se demais. Agora se observava no  próprio espelho. A bifurcação do sonho se encontrava com a realidade. O caminho já não tinha obstáculos. Tudo se desenhava à sua frente. De uma maneira inteligente e vertiginosa.

Já havia inventado tantos sonhos. Alguns não realizados. Já havia amanhecido tantos dias. Apreciado tantos sóis. Já havia conhecido lugares, pessoas e países. A vida valeria a pena? Já filosofara muito e mergulhara fundo no desconhecido. Nos côncavos da alma. Mas esquecia, às vezes, de olhar mais detalhadamente para as árvores. Para o tempo que passava. Para as ruínas que sobravam. Não observando a dinâmica por cima do chão. É na terra que tudo nasce, cresce e morre. 

Desprovida de tudo. De bens materiais, inclusive. Começou  a pensar no livro. No sonhado livro escrito e documentado para a posteridade. Mas o que reservará a posteridade? Além do esmalte verde em sua unha. Sua mísera conta bancária. Seu amor, seu filho e sua carreira sem sentido. Esquecia quem realmente era. Perdia a identidade. Não o rumo.

Na cozinha, olhando a cafeteira e o relógio de parede,resolveu escrever. Escrevendo revelaria sua verdade. Toda escrita tem um pouco de psicanálise. Agora requentava o leite no fogão. Café preto não faz muito bem a saúde. E misturou também sua estória naquele novembro atípico. Ar diferente, mesclando frio e calor. Transbordando numa atmosfera inquieta. Foi percebendo um sabor mais autêntico no café. E percorrendo a delícia de uma vida jamais imaginada. Pois viver é se encontrar.

De que adianta um caminho sem direção. Estava consciente agora, já avistava um caminho. Movida pela imensa curiosidade que a caracterizava. E pela satisfação que a escrita lhe dava. Agora é viver. É escrever. Saborear a matéria-prima revelada pelo silêncio. E escrever até a exaustão.

Últimas Ana D Ávila

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS