Sexta-feira, 20 de SETEMBRO de 2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

coluna da ana

Fernanda Young, talento que silenciou

Publicada em 02/09/2019 às 14h39| Atualizada em 09/09/2019 às 12h45

Domingo passado,surpreendendo à todos, falece em seu sítio ao sul de Minas Gerais, a polêmica escritora Fernanda Young. Eu tinha enorme admiração por ela,seu senso crítico, sua cultura e suas colunas semanais publicadas no Jornal O Globo, do Rio de Janeiro. Para mim, Fernanda era perfeita. Como escritora, atriz e desenhista. Cursou Jornalismo, Letras e Artes Plásticas.

Seu último artigo foi publicado na segunda-feira, dia 23 de agosto no O Globo, com o título: "Cafonice no Brasil de hoje".Mas era na rede social,que ela trocava mensagens assíduas com seus leitores. Que eram muitos.De todos os estados brasileiros. Certo dia, ela interagiu comigo. Perguntei: Por que você não lança tuas obras na "Feira do Livro de Porto Alegre.Quero teu autógrafo, quero te conhecer pessoalmente? Ela respondeu: "Ainda não me convidaram". Depois nunca mais interagimos.

Meu único contato com ela era justamente na rede social do Instagram.Todo dia, incansavelmente, abria a página dela para saber das novidades inteligentes. As vezes ela era muito séria, em outras, cômica. Certo dia, dançava e cantava: "O rico, cada vez fica mais rico. E o pobre, cada vez fica mais pobre".Numa cena teatral incomum e numa crítica direta aos devaneios dos governos corruptos.

Em sua primeira obra de não ficção, Fernanda Young,se inseriu no acalorado debate sobre o que significa ser homem e ser mulher, no mundo de hoje. A obra "Pós-F". contém textos autobiográficos e revela como uma das tantas personagens femininas às quais deu voz, sempre independentes e a  quem a inadequação é um sentimento intrínseco. E esse constante deslocamento fez com que Fernanda fosse capaz de observar o feminino e o masculino em todas as suas potencialidades.

É daí que surge o "Pós-F".,pós-feminismo e pós-Fernanda, um relato sincero sobre uma existência livre de estigmas calcada na sobrevivência definitiva do amor, no respeito inquestionável ao outro e na sustentação do próprio desejo. Dizia: "Não sou especialista em nada.Melhor, não sou especialista de coisa pronta. Procuro me aprimorar em mim, entendendo sobre mim- usando, é claro,tudo o que observo nos outros".

Assim, em "Pós-F"., para além do masculino e do feminino, que é ilustrado com desenhos da autora, Fernanda Young, vasculha internamente vivências e sentimentos para oferecer aos leitores sua visão de mundo.

Fernanda Young é autora de 10 romances, e como roteirista, 15 séries para a televisão. Sucesso de crítica e público, "Os Normais", escrita com seu marido Alexandre Machado, foi exibida durante dois anos na Rede Globo. Ela vivia em São Paulo, com Alexandre e seus quatro filhos. Criativa, deixa uma obra cultural relevante no Brasil. E para seus leitores,a oportunidade de conhecer seu talento. Que era excepcional.

Últimas Ana D Ávila

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS