Domingo, 26 de JANEIRO de 2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

coluna da ana

Família destemida

Publicada em 09/12/2019 às 21h04| Atualizada em 16/12/2019 às 12h22

 

Naquela terça-feira de primavera, o ar da praia estava nebuloso. No céu, um  cinza apocalíptico. Na areia, uma ventania ensurdecedora. E no conjunto da paisagem, nenhum turista ou nativo do local. Sentei-me por uns breves instantes no banco lateral do calçadão. Arriscando-me também, a ficar com os olhos e o corpo impregnado de areia.  Fiquei observando.

Neste momento, caminhando vagarosamente, surge uma família. Penso: que destemor é este! Será que estarão indo para o mar? Será que se aventurarão a entrar na água gelada? O casal é jovem. A mulher leva consigo  uma cadeirinha de sol. O homem uma prancha pequena de boarding  board.  As  crianças,  baldezinhos e pazinhas para mexer na areia.

O tempo está estupidamente impróprio para uma prazerosa tarde na praia. Mas como num filme de Almódovar,  tudo  é possível em se tratando de ser humano. E a família lentamente caminha em direção ao mar. Atravessa as dunas, o calçadão,  a extensão da areia e finalmente chega bem perto da primeira onda. Contrastando o vento frio, o homem prova seu destemor. Tira a camiseta. A areia bate em suas costas, como agulhas. Ele resiste. Como se estivesse num clima de verão.

A mulher monta a cadeira. Senta. As crianças  acocorocam-se  e começam a juntar areia molhada e colocar no balde.  Enquanto o homem levanta a prancha de surfe. Mas a ventania era tão forte, que a certa altura, a prancha ameaça voar. A impressão de longe, era de que aquele homem, estava  empinando uma pandorga. O vento fazia a prancha, que é de material leve, literalmente balançar em suas mãos. Quase subindo   pelos ares. Num bailado solitário.

As crianças gritam. Não consigo ouvir o que falam. Talvez peçam aos pais para voltar prá casa. Pois o mar, com certeza hoje, não está para peixe. Nem para surfar, nem pegar sol ou confeccionar castelos de areia. O vento fica cada vez mais forte. Uiva, como lobo. Não sei o que aconteceu depois. Desisti de observar. Só sei que foi a família mais corajosa que já avistei na praia. Vivendo uma experiência quase sobrenatural .De audácia e, muita bravura. (Ana D´Avila)

Últimas Ana D Ávila

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS