Domingo, 24 de JUNHO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

3º Neurônio | cinema

Célia Benelli Campello, a estrela Celly Campello

Celly Campello - Um Broto Legal no cinema

Publicada em 21/06/2017 às 09h42

Celly Campello é considerada a rainha do rock brasileiro. A pioneira do gênero no país foi um grande sucesso musical na sua curta carreira.

Descente de portugueses, Célia Benelli Campello nasceu em São Paulo em 18 de junho de 1942, mas foi criada em Taubaté. Começou a carreira ao seis anos de idade, cantando na Rádio Cacique de Taubaté, depois passou a ser uma integrante fixa do Clube do Guri na Rádio Difusora da cidade. Aos doze, já tinha seu próprio programa de rádio.

Em 1959 gravou seu primeiro disco, acompanhada do irmão Tony, que a acompanharia durante boa parte de sua trajetória artística. Os irmãos ficaram populares ao apresentarem programas na televisão, como Crush em Hi-Fi (1959), na TV Record.

 

Celly e Tony Campello

 

Ainda em 1959 estourou nas paradas com Estúpido Cúpido, versão brasileira de Stupid Cupid. A música foi um tremendo sucesso em todo o país. Ela ainda gravou outros sucessos como Lacinhos Cor-de-RosaBilly e Banho de Lua. O ator e cineasta Mazzaropi, vendo o sucesso da cantora, a convidou para participar de dois filmes seus: Jeca Tatu e Zé do Periquito, ambos de 1960. Nos filmes Celly aparecia cantando ao lado do irmão Tony Campello. Para tristeza dos fãs, ela deixou a carreira no auge, para se casar com seu antigo namorado de infância.

 

Casamento de Celly com José Eduardo Gomes Chancon

 

FILMES DE CELLY CAMPELLO

JECA TATU (1960)

 

 

 

ZÉ DO PERIQUITO (1960)

 

 

RITMO ALUCINANTE (1975)

 

Após muitos anos afastada, Celly retornou a carreira de cantora, revivendo seus sucessos do passado. Em 1975 ela participou do festival Hollywood Rock no Rio de Janeiro ao lado do irmão. O festival foi registrado e virou um documentário dirigido por Marcelo França, chamado Ritmo Alucinante (1975). No ano seguinte a Rede Globo levou ao ar a novela Estúpido Cúpido (1976), que se passava nos nostálgicos anos sessenta. A música de Celly era o tema de abertura e ela chegou a fazer uma participação, como ela mesma, na novela.

 

Celly em Ritmo Alucinante (1975)

 

Celly cantando em programa de televisão

 

Ao final da novela, retirou-se novamente, fazendo algumas apresentações esporádicas. Celly morreu em 04 de março de 2003, com apenas 60 anos.

Tony Campello apareceu nas telas nos dois filmes de Mazzaropi em que a irmã participou. Sem ela, atuou ainda em O Vigilante e os Cinco Valentes (1964) e 2000 Anos de Confusão (1964), estrelado por Dedé Santana e seu irmão Dino (a dupla Malóca e Bonitão). Também atuou em A Extorsão, um episódio da série Vigilante Rodoviário (1962).

 

 

Tony Campello em O Vigilante Rodoviário (1962)

 

Diego Nunes é gaúcho, formado em Rádio e TV pela Universidade Metodista de São Paulo, é pesquisador da memória cultural e artística, e sua paixão é o cinema. Além disso, atua como diretor cultural da Pró-TV, Museu da TV Brasileira, e no departamento de arquivo da Rede Record de Televisão.

Acompanhe-o pelo Memória Cinematográfica.

 

Últimas 3º Neurônio

3º Neurônio | ensaio
O suicídio dos que não viram adultos nesse mundo corroído
3º Neurônio | cinema
A trágica vida de Maggie McNamara
3º Neurônio | opinião
É mais interessante o Lula sacralizado ou o Lula profano?
3º Neurônio | opinião
Quando o Deus dos animais acorda de ressaca
3º Neurônio | comportamento
Quem dos 11 tipos é você no grupo de pais e mães do WhatsApp?
3º Neurônio | opinião
Caminhoneiro: o novo velho protagonista do Brasil
3º Neurônio | tecnologia
Sem celular até os 15 anos: uma lei para proibir telefone nas escolas
3º Neurônio | opinião
A hipótese do futebol tecnocrata: porque o analista moderno despreza tanto o talento e a intuição
3º Neurônio | cinema
Allyn Ann McLerie, uma estrela dos musicais
3º Neurônio | comportamento
Equilíbrio e sensibilidade: assim é uma pessoa altamente sensível
opinião
Escola sem Partido ou Escola sem Juízo?
3º Neurônio | cinema
Como Debbie Reynolds lançou Chuck Norris
3º Neurônio | estilo
Os quatro C’s para encontrar a felicidade em vez do prazer
3º Neurônio | cinema
Henry Calvin, além do Sargento Garcia
3º Neurônio | comportamento
Dez frases proibidas para educar seu filho
3º Neurônio | opinião
Saudades da ditadura, a narrativa umbiguista para o mundo ideal
3º Neurônio | tecnologia
Odeio o celular da minha mãe porque ela sempre está com ele
3º Neurônio | ciência
Os números explicam o mundo
entrevista
Ivo Herzog: O Brasil insiste em virar a página da ditadura mas sem escrevê-la antes
Opinião
O mundo precisa de adultos responsáveis, não de otimismo infantilizado
Administrativo/comercial
51 3046-6114 - Ramal: 200
Redação
51 3046-6114 - Ramal: 202

redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari - repórter
Guilherme Klamt - repórter/imagens
Silvestre Silva Santos - editor/economia
Maiara Tierling - administrativo/comercial
Rosângela Ilha - diretora
Roberto Gomes - diretor
Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS