Domingo, 24 de JUNHO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

3º Neurônio | cinema

Aleisha Brevard morreu em 1 de julho, aos 79 anos

Morreu Aleisha Brevard, a primeira atriz transgênero dos EUA

Publicada em 07/07/2017 às 17h23| Atualizada em 07/07/2017 às 19h25

Morreu em 01 de julho a atriz e modelo A'leisha Brevard, a primeira artista transgênero a trabalhar em Hollywood. Curiosamente, o público só soube deste detalhe de sua vida em 2001, quando ela publicou um livro de memórias, com o título The Woman I Was Not Born To Be: A Transsexual Journey (A Mulher que eu não nasci para ser, uma viagem transexual).

 

 

A'leisha Brevard estreou no cinema como uma das muitas beldades lançadas nas telas na década de sessenta. Ela começou a carreira como modelo, e conseguiu seu primeiro papel quando soube que a Universal buscava uma ruiva alta e voluptuosa para atuar no filme O Deus do Amor (The Love God?, 1969), estrelado pelo comediante Don Knotts. Após o filme, viajou pelos Estados Unidos em turnê com Don Knotts, e conseguiu um contrato com a Playboy, como coelinha. Também chegou a fazer números de strip-tease em Reno. Na época usava o nome de A'leisha Lee, sobrenome de seu marido.

 

A'leisha a direita, dançando

 

Nos tempos da Playboy

 

A'leisha Brevard nasceu Alfred Brevard Crenshaw, em 09 de dezembro de 1937, em uma comunidade rural e religiosa no Tennessee. Ela teve uma infância muito difícil, não se aceitando e não sendo aceita na comunidade em que vivia. Ela fugiu de casa antes de terminar o ensino médio, partindo em um ônibus rumo a Nova York.

Foi em Nova York que começou a fazer shows na boate Finnochio's, tendo se apresentando para estrelas como Bette Davis, Errol Flynn e Lana Turner. Mas não gostava de ser apresentada como imitadora, como um homem travestido de mulher. Foi nesta época que conheceu o médico Harry Benjamin, e começou a fazer o tratamento para a mudança de sexo, no final dos anos 50.

 

Nos tempos da Finnochio's

 

Em 1962 ela finalmente fez a cirurgia, sendo uma das primeiras pessoas a fazer tal procedimento nos Estados Unidos. Mas como sempre sonhou em ser uma estrela de cinema, escondeu sua história com medo que ela atrapalhasse sua carreira. Começou a trabalhar como modelo logo após sua transformação e pouco tempo depois estreou no cinema.

 

Como modelo, em 1968.

 

Fazendo teste para elenco, em 1969

 

A'leisha fez em seguida o filme O Pé Grande (Bigfoot, 1970), e participações nas séries de TV A Família Dó-Ré-Mi (The Partidge Family, 1970) e Galeria do Terror (Night Gallery, 1970). Foi uma das protagonistas de Um Punhado de Fêmeas (The Female Bunch, 1971), um filme "B" estrelado por Lon Chaney Jr. Também foi presença regular em programas como The Red Skelton Show e The Dean Martin Show.

 

Cartaz de Um Punhado de Fêmeas

 

A partir da década de setenta passou a dedicar-se mais ao teatro, como atriz, diretora e escritora. Em 1976 terminou um mestrado em estudos teatrais na Marshall University. Retornou a televisão na série Legends of the Superheroes (1979), uma tentativa fracassada de adaptar os quadrinhos da DC Comics em uma série televisiva, que só durou dois episódios. A'leisha interpretava a vilã Giganta.

 

A'leisha como Giganta, com Alfie Wise (o Homem Átomo)

 

Ela ainda atuou nos filmes O Rosto de Humphrey Bogart (The Man With Bogart's Face, 1980), Smokey and the Judge (1980), American Pop (1981) e Hard Country (1981). Depois dedicou-se ao teatro e a vida particular.

 

Em O Rosto de Humphrey Bogart

 

A'leisha Brevard poderia ter ficado na história do cinema apenas uma showgirl bonita que passou pelas telas cinematográficas se em 2001 não tivesse revelado ao mundo ser transgênero em sua biografia, e afirmou que escondeu sua história por medo de não ser aceita. Desde então, passou a ser um importante ícone na luta pelos direitos LGBT.

 

 

"Hoje em dia, entende-se que às vezes os meninos são meninas.

No caso de Alfred Brevard Crenshaw, ele queria ser uma mulher. 

E OH, QUE MULHER!"

(crítica de seu livro, escrita no jornal Publishers Weekly)

 

 

 

Em 2016

 

A'leisha Brevard morreu em 01 de julho, aos 79 anos.

 

 

Diego Nunes é gaúcho, formado em Rádio e TV pela Universidade Metodista de São Paulo, é pesquisador da memória cultural e artística, e sua paixão é o cinema. Além disso, atua como diretor cultural da Pró-TV, Museu da TV Brasileira, e no departamento de arquivo da Rede Record de Televisão.

Acompanhe-o pelo Memória Cinematográfica.

 

 

Últimas 3º Neurônio

3º Neurônio | ensaio
O suicídio dos que não viram adultos nesse mundo corroído
3º Neurônio | cinema
A trágica vida de Maggie McNamara
3º Neurônio | opinião
É mais interessante o Lula sacralizado ou o Lula profano?
3º Neurônio | opinião
Quando o Deus dos animais acorda de ressaca
3º Neurônio | comportamento
Quem dos 11 tipos é você no grupo de pais e mães do WhatsApp?
3º Neurônio | opinião
Caminhoneiro: o novo velho protagonista do Brasil
3º Neurônio | tecnologia
Sem celular até os 15 anos: uma lei para proibir telefone nas escolas
3º Neurônio | opinião
A hipótese do futebol tecnocrata: porque o analista moderno despreza tanto o talento e a intuição
3º Neurônio | cinema
Allyn Ann McLerie, uma estrela dos musicais
3º Neurônio | comportamento
Equilíbrio e sensibilidade: assim é uma pessoa altamente sensível
opinião
Escola sem Partido ou Escola sem Juízo?
3º Neurônio | cinema
Como Debbie Reynolds lançou Chuck Norris
3º Neurônio | estilo
Os quatro C’s para encontrar a felicidade em vez do prazer
3º Neurônio | cinema
Henry Calvin, além do Sargento Garcia
3º Neurônio | comportamento
Dez frases proibidas para educar seu filho
3º Neurônio | opinião
Saudades da ditadura, a narrativa umbiguista para o mundo ideal
3º Neurônio | tecnologia
Odeio o celular da minha mãe porque ela sempre está com ele
3º Neurônio | ciência
Os números explicam o mundo
entrevista
Ivo Herzog: O Brasil insiste em virar a página da ditadura mas sem escrevê-la antes
Opinião
O mundo precisa de adultos responsáveis, não de otimismo infantilizado
Administrativo/comercial
51 3046-6114 - Ramal: 200
Redação
51 3046-6114 - Ramal: 202

redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari - repórter
Guilherme Klamt - repórter/imagens
Silvestre Silva Santos - editor/economia
Maiara Tierling - administrativo/comercial
Rosângela Ilha - diretora
Roberto Gomes - diretor
Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS