Quinta-feira, 21 de JUNHO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

3º Neurônio | pintura

William Wray e as fraquezas dos super-heróis

Publicada em 18/10/2017 às 09h44| Atualizada em 19/10/2017 às 10h09

Natural da California, esse artista americano se auto define por combinar habilidades tradicionais do realismo e a energia pura do expressionismo abstrato. Segundo ele mesmo, é o seu esforço para tentar encontrar o equilíbrio entre dois estilos aparentemente sem nada a ver. Ele desafiou a si próprio para criar uma marca do expressionismo realista, que quer usar como ponte para o mundo da arte contemporânea, rotineiramente sisuda.

 

 

 

Para quem sempre ganhou a vida como cartunista, colaborador da revista Mad e outras publicações, William Wray diz que passou anos concentrado numa eclética variedade de estilos de arte. Agora, finalmente, acha que encontrou um rumo. O resultado dessa maturação, evidente nas suas vertentes temáticas – super-heróis, paisagem urbana, interiores, tipos, abstrato – ocupa as telas, assuntos raramente considerados arte.

 

 

 

Para esta postagem, escolhemos a série Super-Heróis: de poderosos não têm nada. William Wray joga ícones famosos, patrimônio do imaginário mundial, em cenários urbanos com a dureza do real, num cotidiano tão sofrido quanto o de humanos. Em vez do comic escapista, os quadros abordam aspectos sombrios das realidades sociais: melancolia, desamparo, angústia, tristeza, depressão. O contraste entre personagens de ficção e um mundo verdadeiro é de doer.

 

 

 

 

Para acompanhar o pintor William Wray em ação no seu estúdio, acesse o YouTubePara conhecer toda a arte de William Wray, acesse seu site e também seu FacebookPara saber mais da arte e da trajetória de William Wray, acesse seu perfil na Wikipédia.

 

 

 

Últimas 3º Neurônio

3º Neurônio | cinema
A trágica vida de Maggie McNamara
3º Neurônio | opinião
É mais interessante o Lula sacralizado ou o Lula profano?
3º Neurônio | opinião
Quando o Deus dos animais acorda de ressaca
3º Neurônio | comportamento
Quem dos 11 tipos é você no grupo de pais e mães do WhatsApp?
3º Neurônio | opinião
Caminhoneiro: o novo velho protagonista do Brasil
3º Neurônio | tecnologia
Sem celular até os 15 anos: uma lei para proibir telefone nas escolas
3º Neurônio | opinião
A hipótese do futebol tecnocrata: porque o analista moderno despreza tanto o talento e a intuição
3º Neurônio | cinema
Allyn Ann McLerie, uma estrela dos musicais
3º Neurônio | comportamento
Equilíbrio e sensibilidade: assim é uma pessoa altamente sensível
opinião
Escola sem Partido ou Escola sem Juízo?
3º Neurônio | cinema
Como Debbie Reynolds lançou Chuck Norris
3º Neurônio | estilo
Os quatro C’s para encontrar a felicidade em vez do prazer
3º Neurônio | cinema
Henry Calvin, além do Sargento Garcia
3º Neurônio | comportamento
Dez frases proibidas para educar seu filho
3º Neurônio | opinião
Saudades da ditadura, a narrativa umbiguista para o mundo ideal
3º Neurônio | tecnologia
Odeio o celular da minha mãe porque ela sempre está com ele
3º Neurônio | ciência
Os números explicam o mundo
entrevista
Ivo Herzog: O Brasil insiste em virar a página da ditadura mas sem escrevê-la antes
Opinião
O mundo precisa de adultos responsáveis, não de otimismo infantilizado
3º Neurônio | tecnologia
O celular consegue ouvir nossas conversas particulares?
Administrativo/comercial
51 3046-6114 - Ramal: 200
Redação
51 3046-6114 - Ramal: 202

redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari - repórter
Guilherme Klamt - repórter/imagens
Silvestre Silva Santos - editor/economia
Maiara Tierling - administrativo/comercial
Rosângela Ilha - diretora
Roberto Gomes - diretor
Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS