Quinta-feira, 21 de JUNHO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

3º Neurônio | comportamento

Tatuagem, que seja eterna enquanto o tatuado tolerar

Publicada em 07/11/2017 às 15h57| Atualizada em 09/11/2017 às 11h34

“Nada mais triste que uma tatuagem numa pele murcha”. 

(Ernani Ssó, escritor gaúcho)


Se arrependimento desbotasse imagens na pele, estaria resolvido o maior problema de quem mandou tatuar por impulso ou por paixão passageira. Puizé: o auge da onda das tatuagens passou, o fenômeno agora é a remoção das gravações.  Haja sofrimento físico, paciência, money e tecnologia.

 

Para conhecer a arte de Iliya Brezinski, acesse seu Instagram

 

Para conhecer a arte do brasileiro Diego Bez Batti, acesse seu Facebook.

 

De onde surgiu tantos arrependidos? Do avesso da força das tendências: a fraqueza dela diante de novos tempos, quer dizer, de outras tendências. Nada mais difícil que escolhas definitivas. (Nem presidente dura 4 anos!) Tudo é passageiro, sobretudo tinta entranhada na carne por modismo.

 

Para conhecer a arte de Dr Woo, acesse seu Instagram

 

Para conhecer a arte do estúdio Expanded Eye, acesse seu site

 

O mercado aponta, o noticiário registra: agora os tatuadores já se ocupam mais com casos de deletar imagens da epiderme que com novos trabalhos. E nesse ramo, capaz de atender tudo quanto é desejo esquisito, arrependimento tem seu preço: até 20 vezes mais caro que a tatuagem original.

 

Para conhecer a arte do brasileiro Frank Carrilho, acesse seu Facebook.

 

Para conhecer a arte de Jan Mraz, acesse seu site

 

Fora traços de ex-amores, compreensíveis de serem eliminados de coxas, nádegas, ombros, pescoços, etc, há outros sinais que justificam faxina a laser: desenhos sem criatividade ou sem conceito sensível, inexpressivos ou padronizados, e até malfeitos.  Coisas assim cansam o olho e a mente.

 

Para conhecer a arte de Jessica Vrtvit, acesse seu Instagram

 

Para conhecer a arte de Mirko Sata, acesse seu Instagram

 

Claro que nem sempre o gosto duvidoso e as ideias repetitivas enchem catálogos (afinal, a decisão é sempre do cliente). E há, mundo a fora, artistas que criam peças exclusivas, design sob medida pra cada ego, todos magistrais na caneta e agulha. Visitar suas galerias é programa de arte.

 

Para conhecer a arte de Mo Gangi, acesse seu site

 

Para conhecer a arte de Nouvelle Rita, acesse seu Instagram

 

Seguinte:, site parceiro do Diário de Viamão, selecionou 11 tatuadores (2 brasileiros) cuja arte nada tem de descartável.
A onda passou, as marolas continuam, as tatuagens removíveis vieram pra ficar e a estética obedece a vaidade humana, e esta é escrava da moda. Neura ou não, nem todos querem morrer com o corpo que nasceram.

 

Para conhecer a arte de Peter Aurisch, acesse seu site.

 

 

 

 

Últimas 3º Neurônio

3º Neurônio | cinema
A trágica vida de Maggie McNamara
3º Neurônio | opinião
É mais interessante o Lula sacralizado ou o Lula profano?
3º Neurônio | opinião
Quando o Deus dos animais acorda de ressaca
3º Neurônio | comportamento
Quem dos 11 tipos é você no grupo de pais e mães do WhatsApp?
3º Neurônio | opinião
Caminhoneiro: o novo velho protagonista do Brasil
3º Neurônio | tecnologia
Sem celular até os 15 anos: uma lei para proibir telefone nas escolas
3º Neurônio | opinião
A hipótese do futebol tecnocrata: porque o analista moderno despreza tanto o talento e a intuição
3º Neurônio | cinema
Allyn Ann McLerie, uma estrela dos musicais
3º Neurônio | comportamento
Equilíbrio e sensibilidade: assim é uma pessoa altamente sensível
opinião
Escola sem Partido ou Escola sem Juízo?
3º Neurônio | cinema
Como Debbie Reynolds lançou Chuck Norris
3º Neurônio | estilo
Os quatro C’s para encontrar a felicidade em vez do prazer
3º Neurônio | cinema
Henry Calvin, além do Sargento Garcia
3º Neurônio | comportamento
Dez frases proibidas para educar seu filho
3º Neurônio | opinião
Saudades da ditadura, a narrativa umbiguista para o mundo ideal
3º Neurônio | tecnologia
Odeio o celular da minha mãe porque ela sempre está com ele
3º Neurônio | ciência
Os números explicam o mundo
entrevista
Ivo Herzog: O Brasil insiste em virar a página da ditadura mas sem escrevê-la antes
Opinião
O mundo precisa de adultos responsáveis, não de otimismo infantilizado
3º Neurônio | tecnologia
O celular consegue ouvir nossas conversas particulares?
Administrativo/comercial
51 3046-6114 - Ramal: 200
Redação
51 3046-6114 - Ramal: 202

redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari - repórter
Guilherme Klamt - repórter/imagens
Silvestre Silva Santos - editor/economia
Maiara Tierling - administrativo/comercial
Rosângela Ilha - diretora
Roberto Gomes - diretor
Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS