Segunda, 22 de OUTUBRO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

3º Neurônio | memória

Eva Todor teve uma carreira brilhante no teatro, cinema e tv

Eva Todor, uma das artistas mais queridas do Brasil

Publicada em 11/12/2017 às 14h20| Atualizada em 13/12/2017 às 15h27

Eva Todor, uma das artistas mais querida do Brasil, faleceu neste domingo, aos 98 anos de idade.

 

Eva Todor em Salve Jorge

 

Com mais de 80 anos de carreira, Eva nasceu na Hungria, em 9 de novembro de 1919, com o nome de Eva Fodor Nolding. Ainda criança, começou a dançar na Ópera Real de Budapeste. Ainda pequena, migrou com os pais para o Brasil, fugindo da crise de 1929. O nome Todor foi escolhido como seu nome artístico devido a sonoridade do "Fodor" não ser muito bem vista no Brasil, soando como quase um "palavrão".

No Brasil, fez parte do elenco da Cia do Teatro Recreio, onde conheceu Luiz Iglesias, como quem se casou anos mais tarde.

No teatro, ficou famosa como mocinhas ingênuas e começou a desenvolver o lado de comediante. Em 1940, montou seu próprio grupo teatral, de nome Eva e Seus Artistas.

 

Eva Todor em Cândida (1946)

 

Estreou na televisão ainda nos testes inaugurais da TV Tupi do Rio de Janeiro, em 1950. Mas só começou a atuar mais ativamente na TV a partir de 53, quando estrelou alguns espetáculos teatrais televisionados. Na década de 60 estrelou o sitcom "Confissões de Eva". No cinema, atuou pouco, estreando tardiamente em "Os Dois Ladrões" (1960), ao lado de Oscarito. Também fez cinema em Portugal, por onde morou durante dois anos, atuando no filme Pão, Amor e... Totobola (1964).

De volta ao Brasil, despontou nas novelas da TV Globo, atuando em mais de vinte obras, entre novelas e séries.

Talvez seja mais lembrada por seu papel de Kiki Blanche na novela Locomotivas, exibida em 1977. Destacou-se também em novelas como "A Gata Comeu" (1985) e na minissérie "Hilda Furacão" (1998).

Ficou muitos anos sem trabalhar no cinema, retornando às telonas após um hiato de mais de quarenta anos sem fazer filmes. Na década de 2000, atuou nos filmes "Achados e Perdidos"(2002), "Xuxa Abracadabra" (2003) e "Meu Nome não é Johnny" (2008), que também foi o último filme de outra atriz veterana: Dercy Gonçalves.

 

Selton Mello e Eva Todor em Meu Nome Não é Johnny (2008).

 

Sua última atuação foi na novela Salve Jorge (2012), escrita por sua amiga Glória Peres. Eva não concluiu a novela, afastando-se da mesma devido a problemas de saúde.

Eva Todor sofria de Mal de Parkinson e vivia reclusa em sua residência. Em setembro deste ano, chegou a ser internada no hospital. Eva Todor faleceu em sua residência, em consequência de uma pneumonia. 

A atriz havia completado 98 anos de idade recentemente, em 19 de novembro. Pela ocasião, prestei uma homenagem a ela no BlastingNews, numa reportagem com vídeo que você acessa clicando aqui.

 

Diego Nunes é gaúcho, formado em Rádio e TV pela Universidade Metodista de São Paulo, é pesquisador da memória cultural e artística, e sua paixão é o cinema. Além disso, atua como diretor cultural da Pró-TV, Museu da TV Brasileira, e no departamento de arquivo da Rede Record de Televisão.

Acompanhe-o pelo Memória Cinematográfica.

 

 

 

Últimas 3º Neurônio

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS