Domingo, 21 de JANEIRO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

3° Neurônio | comportamento

Os pais devem mentir a seus filhos sobre Papai Noel?

Publicada em 24/12/2017 às 20h42| Atualizada em 26/12/2017 às 10h26

Psicólogos debatem se é saudável permitir que as crianças acreditem em seres sobrenaturais. O Diário reproduz a instigante reportagem publicada pelo El País

 

Papai Noel é a maior mentira coletiva do planeta.

Centenas de milhões de pais enganam seus filhos para que acreditem que existe um velhinho gordo que os espia 24 horas por dia e vai a suas casas no Natal para entregar presentes se tiverem se comportado bem. A revista médica The Lancet Psychiatry acredita que chegou a hora de lançar um debate: Os pais devem mentir a seus filhos sobre Papai Noel?

- A moralidade de fazer com que as crianças acreditem nesses mitos deve ser questionada - afirmam na revista a especialista em saúde mental Kathy McKay e o psicólogo Christopher Boyle.

Os autores sustentam que a ideia de que existe uma agência de espionagem mundial no Polo Norte, da qual nenhuma criatura pode escapar, é “aterradora”, quando observada com olhos de adulto. E que descobrir a mentira pode minar a confiança entre as crianças e seus pais.

- Se os adultos mentem sobre Papai Noel, mesmo que seja de forma bem-intencionada, o que mais é mentira? Se Papai Noel não é real, as fadas são reais? A mágica é real? Deus existe? - acrescentam os autores, entrando em um cérebro infantil.

O artigo publicado na The Lancet Psychiatry compara uma criança que acredita em Papai Noel com um adulto que adora um deus de qualquer uma das 4.200 religiões diferentes e incompatíveis entre si que existem no planeta.

- Se os adultos ridicularizam as crianças por terem acreditado em Papai Noel, onde colocam os adultos que creem em movimentos espirituais baseados em deuses e em outras magias terrestres? - argumentam.

- É correto ou saudável permitir que as crianças acreditem em seres sobrenaturais?.

O debate é um clássico quando o Natal se aproxima. Em seu livro Os Mitos que Roubaram o Natal, o filósofo norte-americano David Kyle Johnson tenta “desmentir o mito de que a mentira do Papai Noel é inofensiva”. Em um capítulo, Johnson, professor da universidade King’s College, da Pensilvânia, afirma que é um mentira injustificada, que degrada a confiança nos pais, que estimula a credulidade, que não incentiva a imaginação e que os presentes de Papai Noel funcionam como um suborno para que os filhos se comportem bem.

Na avaliação de Johnson, a solução não é exterminar o Papai Noel, mas deixar claro que é uma tradição, uma brincadeira.

- Se o seu filho corre pela casa com uma toalha amarrada no pescoço gritando que pode voar porque é o Superman, você acha ótimo porque sabe que ele está brincando que é. Mas, se ele sobe no telhado e grita que pode voar, deveria corrigi-lo rapidamente. Não quer que ele acredite literalmente que pode voar - ilustrou o filósofo em seu blog.

Em seu ensaio Deus, um Delírio, o biólogo evolutivo britânico Richard Dawkins compara a fé em qualquer deus com a fé em Papai Noel, mas esclarece que descobrir a farsa natalina ajuda as crianças a entender que nem todas as histórias que os adultos contam são verdadeiras. Papai Noel ajudaria, no fim das contas, a promover um ceticismo saudável nas crianças.

A psiquiatra finlandesa Tuula Tamminen, presidenta de honra da Associação Mundial para a Saúde Mental Infantil, publicou há mais de uma década uma reflexão sobre o personagem que supostamente mora em seu país, na região da Lapônia.

- Um dos pilares mais importantes do desenvolvimento mental é o fato de que todos os pais, em todo o mundo, brincam com seus filhos - diz Tamminen à Materia.

- Nos primeiros meses de vida de uma criança, seus pais podem simular que uma colher é um avião quando dão comida. Mas muito rapidamente a criança percebe que a colher é uma colher e também pode ser algo mais - afirma.

- E muito rapidamente a criança também entende o que seus pais têm na cabeça. Esse é um passo enorme na maturidade cerebral.

Tamminen acredita que o Papai Noel, como os contos de fadas, apoiam esse desenvolvimento mental durante a infância. Além disso, a psiquiatra aplaude o “processo de amadurecimento” que representa descobrir a verdade sobre Papai Noel.

- Quando esse processo corre bem, a criança aprende como superar o sentimento de decepção e se orgulha de saber que tem idade suficiente para saber mais do que as crianças menores - afirma.

McKay, da Universidade da Nova Inglaterra (Austrália), e Boyle, da Universidade de Exeter (Reino Unido), concluem seu artigo na The Lancet Psychiatry com outra perspectiva: o possível benefício que os adultos ganham com a farsa natalina.

- Pode ser que a dureza da vida real demande criar algo melhor, algo em que acreditar, algo no que ter esperança ou que sirva para retornar a uma infância perdida há muito tempo.

 

 

 

Últimas 3º Neurônio

Administrativo/comercial
51 3046-6114 - Ramal: 200
Redação
51 3046-6114 - Ramal: 202

redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari - repórter
Guilherme Klamt - repórter/imagens
Silvestre Silva Santos - editor/economia
Maiara Tierling - administrativo/comercial
Rosângela Ilha - diretora
Roberto Gomes - diretor
Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS