Terça-feira, 16 de OUTUBRO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

3º Neurônio | comportamento

Micromachismos: se é homem e faz alguma destas coisas...

Publicada em 09/03/2018 às 14h08| Atualizada em 10/03/2018 às 12h03

São pequenos gestos, comentários e preconceitos que temos tão interiorizados que não os percebemos como machistas mesmo odiando o machismo. O Diário recomenda e reproduz o artigo publicado pelo El País

 

As atitudes machistas mais flagrantes são claras para nós. Aquelas que, de forma manifesta e constante, colocaram a mulher em uma posição inferior ao homem em contextos sociais, econômicos, jurídicos e familiares. Aquelas que consideram que o homem e a mulher nascem com objetivos e ambições diferentes na vida.

No entanto, apesar das reivindicações históricas dos anos 1970 e a crescente conscientização em relação ao machismo em todos os âmbitos culturais e políticos nos últimos anos, há pequenos resquícios que continuam interiorizados em muitos homens. São sequelas de nossa educação e dos produtos culturais que nos formaram como pessoas e que fazem que, apesar de criticarmos e denunciarmos o machismo, ainda possamos cair em algumas de suas armadilhas sem perceber.

micromachismo, como vem sendo chamado nos últimos cinco anos, se manifesta em formas de discriminação muito sutis que acontecem todos os dias, até mesmo nos ambientes mais progressistas.

Na semana do Dia Internacional da Mulher, queremos pôr o foco sobre tudo aquilo que nós, homens, continuamos fazendo de errado. Uma lista baseada em exemplos que demonstram que talvez tenhamos entendido o grosso das reivindicações feministas, mas ainda precisamos ler as letras miúdas.

1. Achei necessário explicar algo a uma mulher sem que ela me pedisse, pelo simples fato de ser mulher.

2. Comentei com um amigo que ficou cuidando dos filhos: “Hoje te deixaram de babá”.

3. Perguntei a uma mulher se estava “naqueles dias” quando me respondeu com indiferença ou desprezo.

4. Na cama anteponho meu prazer sexual ao de minha companheira e não costumo perguntar quais são suas preferências e necessidades.

5. Disse que “ajudo” nas tarefas do lar, subentendendo que esse é um trabalho da mulher em que eu estou ajudando, e não participando em condições de igualdade.

6. Pressuponho continuamente a heterossexualidade das mulheres e de outros homens.

7. Nunca fiz um rabo de cavalo na minha filha e nem sequer imagino que meu filho possa usar também.

8. Em meu trabalho ou entre amigos, só chamo os homens para jogar futebol, pressupondo que elas não querem jogar.

9. É a mãe que leva o filho ao médico ou às compras. Eu o levo ao jogo de futebol.

10. Perguntei a minha sobrinha se já gosta de algum menino.

11. Perguntei a uma mulher quando vai ter filhos, mas nunca perguntei o mesmo a um homem.

12. Pago todos os meus jantares com mulheres acreditando que isso é o que se espera de mim.

13. Descrevi uma mulher como “pouco feminina”.

14. Usei a palavra “provocante” para descrever a roupa de uma mulher.

15. Comentei que essas não são formas de falar “para uma moça”.

16. Na companhia de uma mulher, ocupei a poltrona do piloto porque interpreto que esse é o normal ou um gesto de gentileza.

17. Na televisão aprecio apresentadores ácidos e divertidos e mulheres bonitas.

18. Fiz o comentário “Sara é uma mulher forte” subentendendo que as mulheres, em geral, são fracas.

19. Tenho gêmeos e, assim que nasceram, fiz a carteirinha do time para meu filho, mas não para minha filha.

20. Deixo meu filho adolescente ficar na rua até as 3 da madrugada, mas obrigo minha filha a voltar antes da meia-noite.

21. Nunca falei de feminismo com meu filho.

22. Sou dono de um local público e instalei o trocador de bebês no banheiro feminino.

23. Convidado a jantar na casa de amigos, parabenizei a mulher pela comida sem antes perguntar quem tinha cozinhado.

24. Convidado a comer na casa de amigos, dirigi-me ao homem para fazer perguntas sobre carros, dinheiro ou esportes porque achei que elas não se interessariam sobre esses temas.

25. Apresentei uma mulher pelo cargo ou posição de seu marido: “esta é a mulher de...”, em vez de dizer seu nome e profissão.

26. Sou garçom e sempre sirvo a bebida alcoólica para o homem e a bebida sem álcool para a mulher, sem perguntar quem pediu cada uma.

27. Sou garçom e sempre deixo a conta da mesa com o homem.

28. Tentando ser amável, chamei de “linda” uma mulher que não conheço.

29. Disse “você não me pediu isso” quando uma mulher me lembrou que não fiz minha parte nas tarefas do lar.

30. Calei-me diante do comentário machista de um amigo.

31. Julguei uma mulher por sua forma de educar os filhos, mas não o faço com um homem.

32. Em alguma ocasião disse à minha companheira: “Vai sair assim, sem se maquiar?” ou “Não está maquiada demais?”

33. Refiro-me ao conjunto dos cidadãos que defendem a igualdade como “as feministas”, no feminino, pressupondo que é uma luta unicamente reservada às mulheres.

34. Alguma vez, em conversa entre amigos, pronunciei a palavra “feminazi” para me referir a uma mulher que reivindica direitos.

35. Alguma vez, em uma conversa entre amigos, me referi a uma mulher como “louca”.

36. Perguntei a uma mulher como concilia a vida profissional com a familiar, algo que jamais perguntei a um homem.

37. Comprei roupa rosa ou bonecas para uma menina sem consultar seus pais (ou a própria menina) que presente desejava.

38. Fiz um favor a uma mulher “por ser bonita”.

39. Trabalho em um local público destinado a mulheres e só coloquei revistas de moda e celebridades na sala de espera.

40. Em uma conversa sobre políticos, acho normal fazer comentários sobre a aparência delas, mas não sobre a aparência deles.

 

 

Últimas 3º Neurônio

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS