Domingo, 22 de ABRIL de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

3º Neurônio | comportamento

Como desmascarar um mentiroso?

Publicada em 05/04/2018 às 17h25| Atualizada em 06/04/2018 às 15h54

Embora pareça incrível, enganar é uma arte que não está ao alcance de todos. Sua prática efetiva requer uma atividade cerebral importante e envolve um intenso exercício de memória e controle de gestos e emoções. O Diário recomenda e reproduz o artigo publicado pelo El País

 

Mesmo que tentemos manter o controle, quando mentimos para alguém, nosso corpo nos entrega. Não existe um detector confiável, o nariz de ninguém cresce, mas há pistas que podem indicar o risco de que alguém esteja nos enganando. A polícia, os investigadores e os serviços de inteligência dos governos sabem disso e são instruídos a detectar esses sinais. Dizer a verdade é um ato cerebral simples. Basta mergulhar em nossa memória, lembrar dos detalhes do que vamos contar e colocar isso em prática. Sem floreios. Mentir, no entanto, requer intensa atividade mental, o que, no final, pode levar ao erro. Não é fácil mudar a história, torná-la coerente e, acima de tudo, crível. Ao construir uma nova versão, temos que intuir ou saber quais informações o outro possui para que não sejamos pegos. Enquanto falamos, calibramos os sinais que emite: vemos se está acreditando em nós ou não, e assim vamos adaptando a história. Se isso não fosse o bastante, devemos memorizar a lorota que estamos contando e evitar cair em contradição.

Se este trabalho cognitivo fosse pouco, fatores emocionais muito fortes intervêm na mentira, como a excitação que nos causa conseguir inventar uma história de forma convincente, o medo de sermos pegos e a antecipação da vergonha e da culpa se, no final, descobrem a trapaça. Não devemos esquecer de que levará muito mais tempo do que o necessário quando se diz a verdade. Nesta demora e na complexidade de seus mecanismos reside a facilidade de cometer falhas. Qualquer gesto involuntário acaba nos entregando. Quando mentimos, temos duas emoções conflitantes e confrontantes: a excitação pelo sucesso e o medo do fracasso. Tentar reprimi-las não é nada fácil: nossos gestos as refletirão de uma forma ou de outra em qualquer deslize. Se adicionarmos a isso o controle sobre o conteúdo da nossa história, precisamos de uma personalidade muito determinada para manter cara de paisagem.

Como explicado no seminário “Detecção do Risco da Mentira”, realizado pela Escola de Inteligência da Universidade Autônoma de Madri, há dois tipos de sinais que nos deixam em evidência: os que mostram a tensão interna através de movimentos faciais (como a dilatação das pupilas, piscar excessivamente, manter o olhar friamente ou, ao contrário, esquivá-lo) ou corporais (movimento das pernas, brincar com um objeto). E os sinais que mostram uma emoção reprimida, como um quase imperceptível sorriso de satisfação ou um desvio do olhar que denota desconforto. Algo como dizer ao parceiro ou parceira que está vindo do trabalho quando a crua realidade exigiu uma visita ao amante. É possível detectar a mentira depois de cinco segundos após o início do relato, porque, nesse momento, a expressão é forçada para convencer o outro. Outra situação-chave é justamente no final, quando o mentiroso relaxa e seus verdadeiros sentimentos (e incoerências) afloram.

A falsidade também é intuída com movimentos da cabeça, que contradizem a mensagem verbal, como negar algo com palavras, mas concordar com a cabeça ou vice-versa. As mãos podem nos trair: usá-las excessivamente, tocar ou esfregar o nariz, a cabeça, os olhos ou cobrir a boca parcial ou completamente ao falar poderiam indicar que a história contada é uma farsa. A tensão acumulada provoca um aumento da temperatura corporal, o que nos deixa com muita sede, calor, queremos desabotoar algum botão da camisa, desfazer o nó da gravata, tirar o colar. Suspeite se alguém aperta continuamente os lábios. Quando enganamos alguém, o corpo tende a se distanciar, seja cruzando os braços ou colocando uma bolsa ou jaqueta no colo como sinal de separação. Desconfie dos movimentos contínuos de pernas ou pés, dos tiques nervosos e apertos de mão. Preste atenção se o interlocutor não parar de brincar, pressionar ou tocar continuamente qualquer objeto que esteja próximo.

Essas expressões nunca são isoladas. Se alguém quiser descobrir a verdade, é preciso examiná-las como um todo. É claro que, antes de mais nada, é preciso conhecer bem essa pessoa: saber se tem tiques, se costuma falar rápido ou devagar, se é tranquila ou nervosa. Os sinais podem enganar. Uma aparência de frieza, por exemplo, é relevante em alguém normalmente inquieto. No final, Pinóquio é um conto: não existe um mecanismo confiável para detectar a mentira, mas há certos gestos que, inconscientemente, nos fazem duvidar. Então, se queremos mentir, apliquemos esse conto.

 

Últimas 3º Neurônio

Administrativo/comercial
51 3046-6114 - Ramal: 200
Redação
51 3046-6114 - Ramal: 202

redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari - repórter
Guilherme Klamt - repórter/imagens
Silvestre Silva Santos - editor/economia
Maiara Tierling - administrativo/comercial
Rosângela Ilha - diretora
Roberto Gomes - diretor
Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS