Terça-feira, 17 de JULHO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

3º Neurônio | redes sociais

O novo cupido do Facebook para os solteiros

Publicada em 07/05/2018 às 16h50| Atualizada em 11/05/2018 às 17h59

Facebook Dating: assim funcionará o novo cupido inteligente. Rede social quer formalizar a paquera entre usuário que já acontece nessa plataforma. O Diário recomenda e reproduz a reportagem do El País

 

Os primeiros indícios datam de fevereiro, quando os testes vazaram. Nesta semana, na conferência F8, foi mencionado e teve sua dinâmica apresentada, mas só em meados deste ano se poderá, de um jeito mais formal, fazer algo que já acontecia no Facebook: paquerar.

A rede de Mark Zuckerberg continua empenhada em manter os usuários sob o seu guarda-chuva. Analisa por onde eles fogem, e tenta oferecer o mesmo dentro de seu jardim. O Facebook Vídeo é a resposta ao YouTube. O MarketPlace, à explosão do Wallapop. O Workplace, contra o Slack. O Date pretende que o usuário deixe de ir ao Match se estiver a fim de algo a mais do que um romance rápido. E essa é justamente a chave do seu lançamento.

O Facebook tem mais de 200 milhões de perfis que declaram publicamente estar solteiros.

- O Facebook Dating quer ajudar a construir relações de longo prazo, que reflitam a maneira como as pessoas se conhecem no mundo real, através das experiências em comum - diz uma fonte da rede social.

Quando começar a funcionar, cada usuário poderá criar um novo perfil no Dating, separado do habitual. As atividades feitas aqui não serão compartilhadas com os amigos e não serão publicadas no feed de notícias, o lugar onde aparecem as novidades. O perfil de paquera, aliás, só mostrará o primeiro nome.

O Facebook promete ser cuidadoso com isso.

- Você não verá nada dos amigos que já têm, eles não poderão aparecer como pares potenciais dentro do Dating. Ao mesmo tempo, os amigos do Facebook que entrarem na zona de relacionamentos tampouco verão você - explicou um especialista do Facebook durante sua conferência.

Quando for implantado, os usuários terão a opção de desbloquear o acesso a eventos individuais ou de grupo para chegar a potenciais parceiros. Para evitar mal-entendidos e erros, a caixa de mensagens também será separada. Será mais simples. Não vai se misturar com a atual, e impedirá o compartilhamento de fotos e links quando a conversa inicial for estabelecida.

O processo de adesão promete ser muito mais simples do que o habitual no setor dos relacionamentos amorosos, em que muitas perguntas pessoais são feitas para que o algoritmo possa conhecer melhor a psicologia do candidato. Neste caso bastará dar o nome, para explorar os grupos e eventos que o aplicativo sugerir. O Dating não precisa fazer perguntas adicionais, pois já conhece bem o seu perfil.

O Facebook não quer derrotar o Tinder. Longe disso. Poderia tê-lo comprado ou copiado. Como ocorreu no caso do Snapchat, cuja aquisição fracassou, mas a empresa de Menlo Park pegou sua essência e a transformou no Stories. Primeiro como integração no Instagram, e agora como vetor de crescimento em todo o seu ecossistema. O Facebook poderia ter se inspirado no deslizar para a esquerda ou para a direita como forma de aceitar ou rejeitar, algo que o Tinder pôs na moda, mas preferiu apostar em relações potenciais por afinidade. A companhia quer que as identidades sejam reais, verazes. Por isso o matchespontâneo faz menos sentido quando associado a pessoas em comum, interesses e dados relativos ao cotidiano. O Facebook está a caminho de ser, cada vez mais, o equivalente ao passaporte digital.

 

Últimas 3º Neurônio

3º Neurônio | ciência e religião
A “mais bela” explicação sobre a Criação, segundo Albert Einstein
3º Neurônio | estilo
Chega ao cinema a primeira heroína plus size
opinião
Totens de autoatendimento aliam agilidade com economia
3º Neurônio | opinião
Sobre Jair Bolsonaro, “posso estar errado”
3º Neurônio | cinema
A estrela cult que encantou Elvis e inspirou Tarantino
3º Neurônio | cinema
36 curiosidades sobre O Mágico de Oz
3º Neurônio | cinema
Os filmes esquecidos de James Dean
3º Neurônio | tecnologia
Lembra do Brick Game?
3º Neurônio | comportamento
Pergunte-se se você é generoso ou apenas carente
Memória Cinematográfica
Carlos Gardel, o rei do tango que conquistou Hollywood; mas não teve tempo para aproveitar
3º Neurônio | cinema
A irreverente Dercy Gonçalves
3º Neurônio | opinião
O adulto-menino Neymar: retrato ou vítima de uma geração supermidiática?
3º Neurônio | entrevista
Os populistas estão do lado sombrio da história
3º Neurônio | ensaio
O suicídio dos que não viram adultos nesse mundo corroído
3º Neurônio | cinema
A trágica vida de Maggie McNamara
3º Neurônio | opinião
É mais interessante o Lula sacralizado ou o Lula profano?
3º Neurônio | opinião
Quando o Deus dos animais acorda de ressaca
3º Neurônio | comportamento
Quem dos 11 tipos é você no grupo de pais e mães do WhatsApp?
3º Neurônio | opinião
Caminhoneiro: o novo velho protagonista do Brasil
3º Neurônio | tecnologia
Sem celular até os 15 anos: uma lei para proibir telefone nas escolas
Administrativo/comercial
51 3046-6114 - Ramal: 200
Redação
51 3046-6114 - Ramal: 202

redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari - repórter
Guilherme Klamt - repórter/imagens
Silvestre Silva Santos - editor/economia
Maiara Tierling - administrativo/comercial
Rosângela Ilha - diretora
Roberto Gomes - diretor
Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS