Quarta-feira, 20 de JUNHO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

3º Neurônio | opinião

Comparecimento na eleição foi baixo e muitas assembleias de voto pareceram desertas

Ditadura de Maduro monta farsa, mas eleitores fogem das urnas

Publicada em 21/05/2018 às 15h01| Atualizada em 24/05/2018 às 10h27

Ditaduras no mundo inteiro sempre promoveram eleições para se legitimar, inclusive a nossa. O Diário recomenda e reproduz o artigo de Ricardo Kotscho publicado no Balaio do Kotscho

 

Salas de votação vazias guardadas por paramilitares fardados são o melhor retrato da farsa que foi a votação de domingo na Venezuela em que Nicolás Maduro foi “reeleito” por mais quatro anos.

Para quê, se o país está quebrado, dilacerado, sem comida, sem remédios e sem esperança?

Mais da metade dos eleitores não compareceu às urnas, a abstenção chegou a 54% dos inscritos.

Com o absoluto controle do Estado e os principais opositores presos ou impedidos de disputar a eleição, Maduro teve 5,8 milhões de votos (67% dos válidos), contra o principal adversário admitido nas urnas, Henri Falcón, que ficou bem distante, com 1,8 milhão de votos.

“O que a gente ganha não dá nem para comer. Quem vai se entusiasmar com essa eleição?”, perguntou o pintor de carros Jesus Pereira ao repórter Fabiano Maisonnave, da Folha.

“Todos estão saindo do país como os pássaros. Quem pode vai embora”, desabafou o eleitor, que compareceu à mesma seção em que votava Hugo Chávez, morto em 2013.

Chávez instalou o bolivarianismo em 1999 e desde então seu grupo foi implantando e ampliando uma ditadura, à medida em que perdia apoio popular e a economia venezuelana se esfacelava.

Maduro foi nomeado herdeiro político do chavismo e, desde que assumiu pela primeira vez, abriu guerra contra as empresas que estariam a serviço dos Estados Unidos.

A indústria nacional foi destruída, vários países importantes cortaram relações e começou a grande debandada de venezuelanos em busca de sobrevivência. Só no Brasil já são mais de 50 mil que entraram no país nos últimos anos.

Mesmo assim, Maduro encontrou motivos para comemorar a vitória em seu discurso no Palácio Miraflores:

“Obrigado por me fazer presidente da República Bolivariana da Venezuela para o período 2019 a 2025. Quanto me subestimaram, e aqui estou.”

Será que o país sobreviverá até lá? O pior é que não tem nada para colocar no lugar dos bolivarianistas.

É importante lembrar que o grande drama venezuelano não é provocado só pelo governo, na desatinada luta pela sobrevivência no poder, mas pelas elites locais, a começar pela mídia, a serviço dos interesses americanos.

Com a oposição dividida por interesses diversos e as instituições totalmente desacreditadas, a população não tem a quem recorrer.

Nós brasileiros deveríamos prestar mais atenção no que acontece por lá, para que a mesma tragédia não se repita aqui com as viúvas da ditadura dos generais, encantadas com a patética figura de Jair Bolsonaro, um ex-capitão, militar como foi Hugo Chávez, só que com os sinais trocados.

A diferença é que Chávez resolveu afrontar os Estados Unidos, enquanto Bolsonaro está pronto para prestar absoluta vassalagem ao grande irmão do norte.

Lá como cá, como sabemos, por trás de tudo está a disputa pelas reservas de petróleo.

Não podemos esquecer que brasileiros também já estão emigrando em massa, não só para Miami e Lisboa, mas também para o Paraguai.

Corremos o risco de virar não uma Grécia amanhã, mas uma Venezuela, se não tivermos juízo.

Vida que segue.

Últimas 3º Neurônio

3º Neurônio | opinião
É mais interessante o Lula sacralizado ou o Lula profano?
3º Neurônio | opinião
Quando o Deus dos animais acorda de ressaca
3º Neurônio | comportamento
Quem dos 11 tipos é você no grupo de pais e mães do WhatsApp?
3º Neurônio | opinião
Caminhoneiro: o novo velho protagonista do Brasil
3º Neurônio | tecnologia
Sem celular até os 15 anos: uma lei para proibir telefone nas escolas
3º Neurônio | opinião
A hipótese do futebol tecnocrata: porque o analista moderno despreza tanto o talento e a intuição
3º Neurônio | cinema
Allyn Ann McLerie, uma estrela dos musicais
3º Neurônio | comportamento
Equilíbrio e sensibilidade: assim é uma pessoa altamente sensível
opinião
Escola sem Partido ou Escola sem Juízo?
3º Neurônio | cinema
Como Debbie Reynolds lançou Chuck Norris
3º Neurônio | estilo
Os quatro C’s para encontrar a felicidade em vez do prazer
3º Neurônio | cinema
Henry Calvin, além do Sargento Garcia
3º Neurônio | comportamento
Dez frases proibidas para educar seu filho
3º Neurônio | opinião
Saudades da ditadura, a narrativa umbiguista para o mundo ideal
3º Neurônio | tecnologia
Odeio o celular da minha mãe porque ela sempre está com ele
3º Neurônio | ciência
Os números explicam o mundo
entrevista
Ivo Herzog: O Brasil insiste em virar a página da ditadura mas sem escrevê-la antes
Opinião
O mundo precisa de adultos responsáveis, não de otimismo infantilizado
3º Neurônio | tecnologia
O celular consegue ouvir nossas conversas particulares?
3º Neurônio | música
Belchior: viagem no universo de Nietzsche
Administrativo/comercial
51 3046-6114 - Ramal: 200
Redação
51 3046-6114 - Ramal: 202

redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari - repórter
Guilherme Klamt - repórter/imagens
Silvestre Silva Santos - editor/economia
Maiara Tierling - administrativo/comercial
Rosângela Ilha - diretora
Roberto Gomes - diretor
Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS