Sabado, 21 de JULHO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

3º Neurônio | cinema

A irreverente Dercy Gonçalves

Publicada em 26/06/2018 às 14h19| Atualizada em 28/06/2018 às 11h48

Sábado 23 de junho a atriz Dercy Gonçalves teria completado 111 anos. O Diego Nunes, do Memória Cinematográfica, relembra em texto, vídeos e galeria de imagens a trajetória da grande comediante no cinema

 

A atriz Dercy Gonçalves é uma das mais importantes comediantes brasileiras. Nascida Dolores Gonçalves Costa, ela nasceu em Santa Maria Madalena em 23 de junho de 1907. Filha de uma família muito pobre, seu pai era alfaiate e sua mãe lavadeira. 

Após descobrir a infidelidade do marido, sua genitora foi embora de casa, abandonando os sete filhos com o pai alcoólatra. Na cidade onde vivia, sofria todo tipo de preconceito, sendo chamada de "negrinha" por ser neta de negros. Começou a trabalhar como bilheteira de cinema para ajudar nas despesas domésticas, e foi ali que decidiu que queria ser artista.

Aos dezessete anos fugiu de casa escondida em um trem, chegando a Macaé, onde se juntou a uma trupe de teatro mambembe. Em 1929 ingressou na Companha Circense de Maria Castro e fez sua estréia como atriz. Começou a fazer dupla com Eugenio Paschoal (os Pascoalinos). Eugenio foi seu primeiro namorado (ele a violentou quando ela ainda era virgem).

 

: Dercy e Eugênio em 1930

 

Durante uma excursão pelo interior de Minas Gerais, contraiu tuberculose, e teve que deixar o circo. Um homem viu a moça doente próxima a tenda do circo ficou com pena de seu estado, pobre e doente, e a colocou em um sanatório para que ela se tratasse, pagando todas as despesas. Curada, teve com este homem sua única filha, Dercimar, nascida em 1936.

Dercy especializou em comédias e no improviso. Foi estrela no teatro de revistas brasileiro, e na década de sessenta era uma das artistas mais bem pagas do Brasil. Suas peças, cheias de palavrões e muitos monólogos sobre sua vida pessoal faziam sucesso com a elite brasileira moralista, que disputava as primeiras poltronas do teatro para ficarem no alvo das cusparadas que a atriz dava no palco em direção ao público. Também era uma das artistas mais bem sucedidas da televisão na época.

 

: Na novela Que Rei Sou Eu? (1989)

 

Nunca parou de atuar, fazendo inúmeros filmes, peças, novelas e programas de televisão. Em 1991 foi tema do enredo da escola de samba Unidos do Viradouro, "Bravíssimo - Dercy Gonçalves, o retrato de um povo." Ela faleceu em 19 de julho de 2008, aos 101 anos.

 

Dercy Gonçalves no filme Absolutamente Certo (1958)

 

Dercy em seu último filme, Nossa Vida Não Cabe Num Opala (2008), aos 101 anos

 

 

GALERIA

Últimas 3º Neurônio

3º Neurônio | psicologia
Amar demais não é amar
3º Neurônio | cinema
A estrela Ginger Rogers
3º Neurônio | estilo
Estamos perdendo a vontade de fazer sexo?
3º Neurônio | ciência e religião
A “mais bela” explicação sobre a Criação, segundo Albert Einstein
3º Neurônio | estilo
Chega ao cinema a primeira heroína plus size
3º Neurônio | opinião
Sobre Jair Bolsonaro, “posso estar errado”
3º Neurônio | cinema
A estrela cult que encantou Elvis e inspirou Tarantino
3º Neurônio | cinema
36 curiosidades sobre O Mágico de Oz
3º Neurônio | cinema
Os filmes esquecidos de James Dean
3º Neurônio | comportamento
Pergunte-se se você é generoso ou apenas carente
Memória Cinematográfica
Carlos Gardel, o rei do tango que conquistou Hollywood; mas não teve tempo para aproveitar
3º Neurônio | cinema
A irreverente Dercy Gonçalves
3º Neurônio | opinião
O adulto-menino Neymar: retrato ou vítima de uma geração supermidiática?
3º Neurônio | entrevista
Os populistas estão do lado sombrio da história
3º Neurônio | ensaio
O suicídio dos que não viram adultos nesse mundo corroído
3º Neurônio | cinema
A trágica vida de Maggie McNamara
3º Neurônio | opinião
É mais interessante o Lula sacralizado ou o Lula profano?
3º Neurônio | opinião
Quando o Deus dos animais acorda de ressaca
3º Neurônio | comportamento
Quem dos 11 tipos é você no grupo de pais e mães do WhatsApp?
3º Neurônio | opinião
Caminhoneiro: o novo velho protagonista do Brasil
Administrativo/comercial
51 3046-6114 - Ramal: 200
Redação
51 3046-6114 - Ramal: 202

redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari - repórter
Guilherme Klamt - repórter/imagens
Silvestre Silva Santos - editor/economia
Maiara Tierling - administrativo/comercial
Rosângela Ilha - diretora
Roberto Gomes - diretor
Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS