Quarta-feira, 17 de OUTUBRO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

3º Neurônio | estilo

Estamos perdendo a vontade de fazer sexo?

Publicada em 17/07/2018 às 16h47

Estatísticas mostram que a libido diminuiu, especialmente entre as gerações mais jovens. Será o desejo um impulso em baixa no mercado, ou nós é que devemos atualizar nossos conceitos sobre ele? O Diário recomenda e reproduz o artigo publicado pelo El País

 

Há dois tipos de estudos que ultimamente têm sido demolidores para a raça humana: os relativos ao desejo, que mostram como essa pulsão – não só erótica, mas de vida – é cada vez mais frágil e escassa; e os relativos ao coeficiente intelectual, que, conforme li recentemente,detectam sua queda na maioria da população com relação a décadas anteriores.

Uma das últimas pesquisas sérias a respeito do desejo foi publicada na revista The Journal of Sexual Medicine com o título Declining Sexual Activity and Desire in Men – Findings from Representative German Surveys, 2005 and 2016(“atividade e desejo sexuais declinantes entre homens – conclusões de estudos alemães representativos, 2005 e 2016”), feito com homens de 18 a 93 anos. O trabalho revela que a proporção de homens sexualmente ativos caiu de 81% para 73% em 2016, e que a ausência de desejo sexual subiu de 8% para 13% nestes anos. A conclusão dos autores foi que a atividade sexual e o desejo decrescem especialmente entre os jovens e os homens de meia-idade, embora o menor percentual de homens vivendo em relações estáveis contribua para essas cifras.

É também bastante popular a conclusão à qual chegou David Spiegelhalter, especialista em estatísticas da Universidade de Cambridge, que observou como diversos estudos no Reino Unido corroboravam esta tese. Segundo a Natsal (sigla em inglês para “pesquisa nacional de atitudes e estilos de vida sexuais”), em 1990 os casais de 16 a 64 anos faziam sexo cinco vezes por mês, média que diminuiu para quatro vezes por mês em 2000, e três em 2010. Em 20 anos, a frequência caiu 40%. Mas o que popularizou Spiegelhalter foi seu prognóstico de que, se as coisas continuassem assim, em 2030 os casais não teriam nenhuma relação sexual.

“A falta de desejo é a consulta mais frequente entre mulheres que vão a um sexólogo, embora o problema de fundo possa ser outro”, diz Francisca Molero, sexóloga, ginecologista, diretora do Instituto Clínico de Sexologia de Barcelona, do Instituto Ibero-Americano de Sexologia e presidenta da Federação Espanhola de Sociedades de Sexologia. “Mas os homens também estão engrossando esta tendência; que, por sua vez, é a que mais propiciou estudos e pesquisas em matéria de sexualidade feminina nos últimos anos”.

Infelizmente nunca se levou suficientemente a sério que a mulher tenha pouco desejo, mas que os homens percam o interesse no sexo é algo que mina o epicentro de sua masculinidade e realmente preocupa. Por isso já é o segundo principal motivo pelo qual os mais jovens vão a um especialista, depois da ejaculação precoce.

“Na questão do desejo”, aponta Molero, “a sexologia está fazendo muitas revisões e reinterpretações, porque realmente é um impulso que está em vias de extinção. Ao menos como o conhecíamos até agora. As pessoas têm cada vez menos fantasias. Talvez porque já não precisam tê-las num mundo hipersexualizado, onde as imagens pornográficas mais extremas estão disponíveis com uma simples conexão à Internet. Tivemos tamanha overdose de estímulos visuais que já nos tornamos insensíveis a eles, e devemos procurar outros novos. Quando falamos de desejo sexual há sempre três ingredientes: o impulso físico, a motivação e o ingrediente cultural. Dentro do primeiro influem muitos fatores como a idade, os hormônios, a saúde; mas também o estado de espírito e a disposição de querer desejar. A motivação procede de experiências prévias e da qualidade de nossas relações sexuais anteriores, e o fator cultural é tremendamente relevante. A sociedade, a cultura, também constroem nossa sexualidade”, afirma esta especialista.

 

Sexo líquido = baixo desejo

 

Vivemos tempos de sexualidade líquida. E não me refiro aos fluidos que derivam desta prática, e sim do conceito que o sociólogo polonês Zygmunt Bauman popularizou, aplicando-o a todas as dimensões do ser humano, e que finca suas raízes no sistema capitalista. Relações em que a fugacidade e a falta de cumplicidade são as grandes diretrizes. Sexo de alto rendimento, desprovido de todo tipo de sensações. Algo semelhante ao que ocorreu com o pole dancequando passou de dança erótica a disciplina esportiva.

A escritora Krysti Wilkinson publicou no The Huffington Post um artigo intitulado Somos a geração que não quer relações, em que analisava as novas normas que regem as interações humanas, derivadas do modelo de sociedade, produção e lazer desenhados para o novo século. Regras que podem aplicar-se igualmente ao sexo. “Queremos a fachada de uma relação, mas não queremos o esforço que implica tê-la. Queremos andar de mãos dadas, mas não manter contato visual; queremos paquerar, mas não ter conversas sérias; queremos promessas, mas não compromisso real; queremos comemorar aniversários, mas sem os 365 dias de esforço que implicam. Queremos um ‘felizes para sempre’, mas sem nos esforçar aqui e agora. Queremos ter relações profundas, mas sem levar muito a sério. Queremos um amor de campeonato, mas não estamos dispostos a treinar (…). Queremos baixar a pessoa perfeita para nós, como se fosse um novo aplicativo que você pode se atualizar sempre que houver uma falha, guardar facilmente numa pasta e apagar quando já não for mais usar. Não queremos nos abrir; ou, o que é pior, não queremos ajudar ninguém a se abrir.”

Pode caber neste contexto a volúvel, caprichosa e imprevisível libido? Segundo Francisca Molero, o desejo tem muitas caras. “Existe o que chamamos desejo desejado e o desejo querido. O primeiro é o que tradicionalmente se entende como impulso sexual. Ou seja, algo espontâneo; ao passo que o segundo é mais uma intenção. É o que está presente em muitos casais de longa duração. Amamos o outro, gostamos de estar com ele/ela, é uma boa pessoa que já nos ajudou muito e queremos desejá-la, embora realmente não seja algo que surja, e sim que nós fazemos acontecer.”

É também frequente que o desejo mude com o tempo (não sempre necessariamente para menos) e que haja pessoas que se encaixem mais no perfil de desejantes e outras sejam mais do tipo desejadas. Muitas mulheres vêm ao consultório alegando falta de desejo, quando na verdade o que ocorre é que não têm um desejo espontâneo, e sim reativo, ou seja, necessitam de certas preliminares, carícias ou preâmbulos para estimulá-la. É como se estivessem dormindo e precisassem ser acordadas. E essas pessoas nós não consideramos pacientes com a síndrome do desejo sexual inibido”, afirma Molero.

Outra concepção errônea sobre a natureza da libido é confundi-la com o amor. “Um desejo forte costuma ser independente do objeto desejado”, afirma essa sexóloga, “e está presente nas fantasias e pensamentos eróticos. Mas o que vemos no consultório é que o desejo querido está ganhando terreno do espontâneo”.

Vendo que o desejo é um poliedro de muitas caras, muitos sexólogos começam a recomendar como exercício traçar o “mapa erótico cerebral”, que pode ser muito útil para conhecer nossa personalidade erótica e satisfazê-la com os manjares que mais aprecia. Porque, frequentemente, adotamos gostos que não são próprios, e sim da nossa cultura ou dos parceiros. John Money foi quem desenvolveu o conceito de “mapa do amor”, que é como um compêndio da nossa personalidade erótica: pensamentos, emoções, parceiros e comportamentos que nos agradam ou que nos produzem rechaço. Um mapa que se forma através das experiências e que pode variar ao longo da vida. O sexólogo colombiano José Manuel González Rodríguez propõe em seu blog algumas perguntas para que o leitor faça a si mesmo e trace este mapa pessoal do tesouro.

“Se os estímulos eróticos que percebermos já não nos excitam, talvez devêssemos começar a mudá-los, substitui-los por outros, talvez menos centrados no visual, e atualizar todo o imaginário erótico tradicional”, afirma Francisca Molero. “Na verdade, a ciência já começou a trabalhar nisso, e recentemente foram descobertas determinadas fibras sensíveis que temos na pele e que não estão necessariamente na zona genital (podem estar na parte interna do antebraço, por exemplo), mas que tocadas convenientemente podem estimular os centros de prazer em nível cerebral.”

Outros especialistas, como Ester Perel, psicoterapeuta belga especialmente empenhada em estudar a compatibilidade entre a segurança e a liberdade nas relações humanas, falava da necessidade de um certo espaço em sua palestra TED titulada O segredo do desejo na relação a longo prazo. “O desejo procura o outro, alguém no outro lado que possamos visitar. O desejo necessita de uma ponte que é preciso cruzar. Em outras palavras, se o fogo precisa de ar, o desejo precisa de espaço (…). Desejo é quando vejo meu parceiro a uma distância confortável. Quando essa pessoa que já me é familiar se torna, por um momento, misteriosa outra vez. Nesse espaço entre eu e o outro reside o pulso erótico.”

Ouvindo isto me vêm à cabeça esses experimentos que faziam com ratos. Quando a população aumentava muito e estavam muito amontoados, perdiam seu interesse pelo sexo. E penso nas grandes urbes, cheias de gente.

 

Últimas 3º Neurônio

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS