Domingo, 22 de OUTUBRO de 2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

opinião

Dá para acreditar?

Publicada em 19/06/2017 às 10h44

“Se macumba ganhasse em futebol, o campeonato baiano terminaria empatado”. 

João Saldanha, jornalista e técnico.

 

“Se reza ganhasse jogo em futebol, o campeão seria o time do Vaticano”.

Boris Casoy, jornalista, comentando ida da seleção argentina a missa antes de jogo com o Brasil.

 

Duas pessoas sabem que macumba em futebol não resolve: eu e você”.

Ibsen Pinheiro, dirigente e jornalista, falando com macumbeiro que se oferecia ao Inter.

 

“O futebol é bonito porque é estranho”.

Valter Casagrande, ex-jogador e comentarista.

 

Fatos pitorescos também marcam a história do futebol gaúcho. Por exemplo: o Gre-Nal 44, dia 28 de julho de 1935, no Estádio dos Eucaliptos, na Rua Silveiro, corria tranquilo. O Inter vencia por 1 x 0 com gol de Mário Mancuso, o árbitro Ernani Delorenzi não tinha problemas, e o clássico já estava terminando. Aí aconteceu o fato estranho: um avião da marinha fez uma manobra, bem baixo, um vôo rasante sobre o estádio. A torcida ficou olhando para cima – a torcida, e também os zagueiros Natal e Risada e o goleiro do Inter, o enorme Julião Penha, embasbacados.

O rasante foi a providencial deixa para a entrada em cena do ponteiro-esquerdo do Grêmio, o argentino Fabio Castillo, que aproveitou a distração dos adversários, mandou a bola espertamente para a rede, e empatou no último minuto do jogo. Penha, Risada e Natal saíram correndo doidos atrás de Delorenzi, que não teve o que fazer – e Castillo rolando de tanto rir! O outro fato diferente tinha acontecido antes mesmo do jogo: o tenente Valfrido Gomes, que comandava a revista da torcida na entrada do estádio, levou para a Guarda Civil nada menos do que um revólver Smith – encontrado na bolsa de uma mulher. 

Outra bizarrice: dia 4 de outubro de 1942 o Inter ganhou de um combinado gaúcho por 3 x 0, em jogo amistoso beneficente nos Eucaliptos, promovido pelas emissoras de rádio Difusora, Farroupilha e Gaúcha, e jornais Correio do Povo e Folha da Tarde, com renda de 11 contos de réis e mais 1 conto e 950 mil réis de contribuições espontâneas dos sócios do Inter (depositadas numa bandeira do Brasil), totalizando 12 contos e 950 mil réis.

A intenção até que era elogiável: a construção de abrigos antiaéreos em Porto Alegre, por causa da segunda Guerra Mundial, que estava acontecendo lá longe, na Europa. Os abrigos de Porto Alegre nunca foram construídos, e nem teriam sido necessários, felizmente, porque ninguém jamais cogitou de atacar a cidade. Os ingressos custaram 5 mil réis o pavilhão, 3 mil a geral e 1 mil para fardados, e a preliminar foi entre os ginásios Cruzeiro do Sul e das Dores. Sem invasão com Hitler e Mussolini, por aqui o dinheiro sem destinatário acabou não deixando pistas.

E tem também episódio de exagero de zelo, do competente gaúcho Otto Pedro Bumbel Berbigier, o primeiro técnico do futebol brasileiro que fez carreira no exterior. Inovador e culto, autor de livros como o importante “La Logística Del Futebol Actual”, editato na Espanha, em 1982, Otto Bumbel treinou seleções da América Central a partir de 1952 (Costa Rica, Guatemala e Honduras), e depois foi para a Europa, onde dirigiu clubes importantes como o Porto de Portugal, e Valência, Sevilha e Atlético Madrid da Espanha.

Antes, dia  17 de setembro de 1950, no Grêmio, ele levou tubos de oxigênio para seus jogadores numa partida... contra o Cruzeiro, no Estádio da Montanha, hoje Cemitério João XXIII. Nunca houve certamente problemas de altitude na chamada “Colina Melancólica”, nem fazia calor – era setembro. Com os tubos de oxigênio apenas no banco de reservas, assistindo à beira do gramado para uma improvável emergência que realmente não aconteceu, o Grêmio ganhou esse clássico Gre-Cruz de goleada, 6 x 0.

 

E dá para acreditar na política?

 

1.

Com o argumento de garantir a suposta estabilidade no Brasil, o ministro Gilmar Mendes mudou de opinião e de voto, e manteve o amigo Michel na presidência. Então, se é para o país ficar mesmo como está, aí vai uma modesta sugestão: GILMAR MENDES PRESIDENTE!

Fim aos intermediários!

 

2.

No passado se dizia que “os justos e honestos pagam pelos culpados”.

Hoje se sabe, “os injustos e corruptores pagam direto AOS deputados”.

E de novo: fim aos intermediários!

 

Agenda histórica do futebol gaúcho na semana

 

18.6.2017, domingo

1989 – Grêmio pentacampeão gaúcho pela terceira vez, 0x0 e 4x3 nos pênaltis contra o Inter no Olímpico

2005 – Inter sub-20 vence seleção italiana por 3x2 e ganha Torneio Angelo Dossena

 

19.6.2017, segunda-feira

1910 – Após sete anos de sua fundação, primeiro jogo oficial do Grêmio, 8x0 contra o 7 de Setembro, pelo primeiro campeonato de Porto Alegre

 

20.6.2017, terça-feira

1999 – Grêmio campeão gaúcho, 1x0 Inter, no Olímpico, gol de Ronaldinho

2016 – gaúcho Tite é o novo técnico da seleção brasileira

 

21.6.2017, quarta-feira

1931 – Primeiro jogo do Inter com clubes de outros estados brasileiros, 1x1 Botafogo do Rio de Janeiro em Porto Alegre

1967 – Seleção gaúcha 2x1 seleção brasileira, Olímpico

1970 – Com gaúcho Everaldo, lateral do Grêmio, Brasil é tri da Copa do Mundo, no México, 4x1 Itália, Estádio Azteca

2000 – Caxias do técnico Tite campeão gaúcho, 0x0 Grêmio, Olímpico, com goleiro Gilmar Dal Pozzo defendendo pênalti de Ronaldinho

 

22.6.2017, quinta-feira

1913 – Primeiro jogo do São José, 2x0 contra o “Hilfsverein” (Sociedade Auxiliadora, hoje Colégio Farroupilha), gols de Dauth  e Bohrer

 

23.6.2017, sexta-feira

2003 – Francisco Novelletto Neto eleito pela primeira vez presidente da Federação Gaúcha de Futebol

 

24.6.2017, sábado

1970 – Em Boeing da Varig escoltado por quatro caças da Força Aérea Brasileira, lateral Everaldo volta a Porto Alegre campeão do mundo e desfila em caminhão do Corpo dos Bombeiros

1987 – Seleção brasileira 1x0 Paraguai, Olímpico, amistoso

 

 

Últimas Cláudio Dienstmann

Administrativo/comercial
51 3046-6114 - Ramal: 200
Redação
51 3046-6114 - Ramal: 202

redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari - repórter
Guilherme Klamt - repórter/imagens
Silvestre Silva Santos - editor/economia
Maiara Tierling - administrativo/comercial
Rosângela Ilha - diretora
Roberto Gomes - diretor
Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS