Quinta-feira, 14 de DEZEMBRO de 2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

opinião

Dunga no asilo em Gravataí

Publicada em 14/08/2017 às 08h52| Atualizada em 14/08/2017 às 08h53

Eu só queria ser um jogador de futebol profissional, mas depois as coisas foram acontecendo, e a gente começou a sonhar – ganhar o tetra na Copa foi o sonho que virou realidade. (Dunga)

Nem eu sei definir o que senti quando coloquei a minha mão direita na Copa do Mundo – foi um calafrio, a alegria, a recompensa por um imenso sacrifício. (Dunga)

Ainda não sei de onde tirei coragem a frieza para chutar o pênalti contra a Itália. (Dunga)

Quando eu era criança a minha mãe me disse que não precisava estudar geografia, porque iria conhecer o mapa-múndi na prática. (Dunga)

Não se pode colher uma rosa sem pegar nos espinhos. (Dunga)

Fiquei em silêncio quando fui pego como símbolo do fracasso em 1990 – a resposta foi à altura. (Dunga)

A gente só consegue vencer quando se convence de que para isso é preciso ser gente. (Dunga)

Eu não tenho liderança, tenho é uma grande vontade de vencer, e no futebol ninguém vence sozinho – o egoísta dificilmente consegue a vitória. (Dunga)

 

 

Dunga era patrocinado pela Coca-Cola, e um dia, em meados de 1999, recebeu da empresa 500 caixas de bonequinhos de plástico Dunguinhas, da série “Minicraques”. Só que cada caixa tinha 1 mil Dunguinhas, e de repente a garagem do Dunga ficou inteiramente inundada com 500 mil – meio milhão – de bonequinhos. O que fazer para limpar a área e poder de novo colocar o carro na garagem?

Problema exposto, foi sugerida uma solução ao menos parcial e principalmente prática, logo aceita pelo inteligente e generoso capitão do tetra do Brasil na Copa do Mundo de 1994: palestras de uns 20 minutos do Dunga em escolas, ele daria um bonequinho a cada criança e professor e professora, distribuição também fotos dele para autógrafos, e o pessoal entraria com um quilo de alimento não-perecível para asilos e outras instituições beneficentes. Feito!

Foram visitadas ao menos umas 20 escolas, o Dunga querendo jogo e resmungando quando os intervalos entre uma palestra e outra eram maiores. Algumas vezes o Pedro Ernesto da Rádio Gaúcha ia junto, e na maioria das vezes foram arrecadados 1 mil quilos de alimentos por visita – uma tonelada!

Já vinha um caminhãozinho da instituição e levava tudo direto para o Pão dos Pobres, o Amparo Santa Cruz ...(muito mais do que algumas promoções que chamam  artistas e outras personalidades e conseguem mal-e-mal juntar 500 quilos, e o capitão sozinho batia na tonelada!).

Na primeira visita, o início, dia 17 de setembro de 1999, o Dunga foi a um colégio em Gravataí, o Salvador Canellas Sobrinho, no Bairro Castelo Branco. Falou sobre responsabilidade e exemplo, distribuiu bonequinhos, deu autógrafos, pegou os alimentos trazidos pela criançada, conseguiu fazer tudo caber na sua própria caminhonete cabine dupla e rumou direto para um asilo, o Nossa Senhora Medianeira, com 26 velhinhas e velhinhos. O capitão do tetra ajudou na descarga e a encher uma enorme mesa com as doações, era comida para semanas!

No asilo, um velhinho de 91 anos, João de Oliveira Soares, de São Borja, contava ter sido técnico de futebol e tinha um conselho tático para o Dunga:

– Larga esse negócio de ficar só chutando escanteio, fica lá dentro da pequena área para fazer o gol de cabeça! – aconselhou o severo velhinho, com gravação para a TV.

– Mas com esse meu tamanhinho? – protestou Dunga.

Menos de dois meses depois, a 10 de novembro de 1999, o Inter ganhou do Palmeiras por 1x0 no Beira-Rio e daquela vez escapou da segundona, com uma cabeçada – dentro do gol – do Dunga. Já no dia seguinte, por iniciativa da TV, ele voltou a visitar o asilo em Gravataí. Foi recebido logo no portão pelo “Seu” Joãozinho gaudério velho de São Borja, de braços abertos e berrando:

– Viu? Eu não te avisei?

 

 

 

Agenda histórica do futebol gaúcho na semana

 

13.8.2017, domingo

1982 – Primeiro jogo do Grêmio na Libertadores, 2x2 São Paulo

1995 – Grêmio campeão gaúcho, 2x1 Inter, Beira-Rio

 

14.8.2017, segunda-feira

1977 – Grêmio vence Inter, 2x1 no Olímpico, e Iúra faz o gol mais rápido de Gre-Nal, a 14 segundos

1993 – Grêmio contrata pela segunda vez técnico Luiz Felipe Scolari, que fica no cargo durante três anos, quatro meses e um dia, até 15 de dezembro de 1996  

 

15.8.2017, terça-feira

1997 – Grêmio 1x1 Ajax no Estádio Arena Amsterdam

2001 – Seleção brasileira vence Paraguai por 2x0 no Olímpico, primeiro jogo de eliminatórias de Copa do Mundo em Porto Alegre

 

16.8.2017, quarta-feira

2006 – Inter campeão da Copa Libertadores de América, 2x2 com o São Paulo no Beira-Rio; gaúcho Dunga estreia como técnico da seleção brasileira com empate de 1x1 contra Noruega em Oslo

 

17.8.2017, quinta-feira

1908 – Grêmio concede ao presidente Augusto Koch o primeiro título de presidente honorário do clube

1914 – Primeira substituição de jogadores em partida do Inter, em Bagé, contra combinado Colegial/14 de Julho: entram Simão, Godinho e Paixão (pai do folclorista Paixão Côrtes)

 

18.8.2017, sexta-feira

1924 – Fundação do Ypiranga de Erechim

2010 – Inter vence Chivas Guadalajara por 3x2 no Beira-Rio e é bi da Libertadores

 

19.8.2017, sábado

1967 – Grêmio adota uso de maca em jogos no Olímpico

2007 – Fabinho, atacante  do Inter, faz gol mais rápido em competições da Fifa, nove segundos, Brasil x Nova Zelândia, sub-17

 

 

Últimas Cláudio Dienstmann

Administrativo/comercial
51 3046-6114 - Ramal: 200
Redação
51 3046-6114 - Ramal: 202

redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari - repórter
Guilherme Klamt - repórter/imagens
Silvestre Silva Santos - editor/economia
Maiara Tierling - administrativo/comercial
Rosângela Ilha - diretora
Roberto Gomes - diretor
Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS