Domingo, 22 de OUTUBRO de 2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

opinião

Mosqueteiro x Saci, a batalha continua

Publicada em 03/09/2017 às 17h47| Atualizada em 06/09/2017 às 09h12

“O mundo não é uma bola de futebol, mas numa bola de futebol se encontra uma grande parte do mundo” (Eugen Roth, escritor alemão).

“A forma esférica da bola de futebol é exatamente o símbolo da imprevisível casualidade” (Peter Handke, poeta alemão)

“A honra não se lava e nem se mancha por uma vitória ou uma derrota num jogo de futebol, mas o triunfo é sempre um símbolo de poderio, e  orgulha aos que, com maior ou menor intensidade, seguem torcendo” (Pedro Escamilla, jornalista espanhol)

 

 

 Mosqueteiros são famosos desde que o escritor francês Vitor Hugo popularizou três deles, há séculos – e na verdade eram quatro: Portos, Atos e Aramis, mais o Dartagnan. O Saci, Pererê, começou a ficar conhecido em 1921, nos livros infantis de Monteiro Lobato. Mas os confrontos entre os mascotes (ou símbolos) Saci do Inter e Mosqueteiro do Grêmio são relativamente bem mais recentes.

Primeiro mascote, primeiríssimo lugar no futebol gaúcho, foi uma simpática criatura viva, vivíssima, a plácida cabra “Chica”, veterana no início dos anos 40, que o Inter fazia questão de levar especialmente aos Gre-Nais para chatear os gremistas. Chica inclusive entrava em campo, não para jogar, claro, mas para dar uma pastadinha. Um dia a inocente foi barrada pelo Grêmio, “cabrita não entra”. “E o presidente do Inter, pode entrar?”, perguntou o próprio. Podia. E, supremo deboche, o presidente entrou – carregando Chica no colo.

Pois naqueles tempos apareceu então “A Família”. Foi no dia 18 de maio de 1946, quando o chargista João “Pompeo” lançou no jornal “Folha da Tarde” essa tira de desenhos, que passou a ser publicada todas as sextas e terças-feiras. Tinha a “Menina Rosinha” representando a taça do campeonato de Porto Alegre, a gorda “Dona Máter” como Federação Rio-Grandense de Futebol, e os primeiros mascotes dos (sete) clubes participantes: o elegante negro “Doutor Marmita” do Inter, o “Mosqueteiro” do Grêmio, o ricaço “Coronel Montanha” do Cruzeiro do Estádio da Montanha, o proletário “Seu Sertório” do Renner na Avenida Sertório, o padre “Irmão Zéca” do São José, “Seu Condutor ” dos bondes do Força e Luz, e “Seu Mallot” do Nacional.

O Grêmio levou apenas oito dias para adotar oficialmente o Mosqueteiro, anunciado como seu símbolo a 26 de maio de 1946. Para amenizar a pirataria de imagem (inclusive porque Pompeo era colorado) o clube alegou que o “seu” mascote tinha sido inspirado na figura do dirigente Francisco Maineri – um gordo que ficava muito brabo com essa história.

O Doutor Marmita, por sua vez, era um negro de paletó risca-de-giz, calça branca, chapelão Panamá, suspensório, gravata, chaveiro do Inter, que não conseguiu ser popular, talvez por falta de identificação. Mais adiante, nos jornais, revistas e panfletos da década de 50 o colorado foi um diabo (referência aos “diabos rubros” jogadores do time) com tridente, nos desenhos de Renato Canini e Zéca Sampaio; e no inicio dos anos 60 surgiu como um negrinho magricela de duas pernas nos traços de Xico Stockinger e Sampaulo, irmão de Zéca. Os ilustradores também desenharam as suas versões próprias do Grêmio: para Zéca Sampaio no “Diário de Notícias” no final da década de 40 era um homem de fraque, calça risca-de-giz; um garoto loiro na “a Hora& rdquo; dos anos 50 e um mosqueteiro magro na “Folha da Tarde” dos 60 para Sampaulo, e um mosqueteiro sem espada para Xico na “Folha Esportiva” no início da década de 60.

O “Saci” só entrou de fato na história do Inter no final da década de 60, na transição do Eucaliptos para o Beira-Rio, por causa de um boneco de barro trazido da rouparia do velho estádio para o novo pelas mãos do roupeiro Antônio Rosa da Silva, “Seu” Rosa. Era uma peça de umbanda, 30 centímetros de altura, pintado de negro, calção branco e camiseta vermelha com distintivo no meio do peito, apenas um dente, atarracado, gorro vermelho, e só uma perna, no centro inferior do corpo. Como já existia a “Churrascaria Saci”, no início só para o pessoal da construção do novo estádio, o novo símbolo “pegou”, e também por outro fator: a sua semelhança com o atacante Claudiomiro.

Em 1988 o cartunista Ziraldo foi contratado para reformular os símbolos de todos os grandes clubes brasileiros, e a turma ganhou um aspecto mais jovial. Finalmente, o Saci em especial teve um momento de consagração em 2006, quando o colombiano Renteria fez um gol para o Inter, arrancou um gorro vermelho e um cachimbo que tinha conseguido esconder no calção, e saiu pulando numa perna só, o Pererê pronto.

.     

Versão do ilustrador Zéca Sampaio no jornal “Diário de Notícias” para os mascotes de Inter e Grêmio em 1948: o “Diabo Rubro” e o “Cartola”

 

AGENDA HISTÓRICA DO FUTEBOL GAÚCHO NA SEMANA

 

3.9, domingo

1929 – Fundação do Guarani de Venâncio Aires

 

4.9, segunda-feira

1960 – Floriano vence Inter por 3x1 no Olímpico

1968 – coronel Mareu Ferreira presidente da FRGF

 

5.9, terça-feira

1904 – Grêmio elege o seu segundo presidente, Oswaldo Siebel

1963 – Inter aumenta o seu número de conselheiros de 150 para 200

 

6.9, quarta-feira

1970 – Gainete , do Inter, completa 1.207 minutos sem levar gol, recorde de goleiros de times gaúchos, contra o Botafogo do Rio de Janeiro em Erechim, no festival de inauguração do Colosso da Lagoa

 

7.9, quinta-feira

1903 – Primeiro jogo de futebol em Porto Alegre, entre os dois times do Rio Grande; a viagem é feita pelo vapor “Aymoré”, alugado por 12 contos de réis, com orquestra a bordo, acompanhamento de 200 torcedores, e exibição de jogadores do time também em partidas de tênis

1911 – Fundação do Grêmio Esportivo Brasil de Pelotas

1962 – Primeiro Gre-Nal no interior, em Rio Grande, Grêmio 2x1

1999 – Seleção brasileira 4x2 Argentina, amistoso no Beira-Rio

 

8.9, sexta-feira

1922 – Fundação do Grêmio Sportivo Força e Luz, de Porto Alegre (que depois foi também Rio Branco e Corinthians)

1976 – Grêmio contrata técnico Telê Santana

2007 – Ulbra ganha no Rio de Janeiro contra o América, 3x2, campeonato brasileiro da série C

 

9.9, sábado

1951 – Zagueiro Nena chora ao ser vendido pelo Inter à Portuguesa

1979 – Grêmio campeão gaúcho, 3x0 Brasil de Pelotas, Olímpico (vice é o Esportivo de Bento Gonçalves)

 

 

Últimas Cláudio Dienstmann

Administrativo/comercial
51 3046-6114 - Ramal: 200
Redação
51 3046-6114 - Ramal: 202

redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari - repórter
Guilherme Klamt - repórter/imagens
Silvestre Silva Santos - editor/economia
Maiara Tierling - administrativo/comercial
Rosângela Ilha - diretora
Roberto Gomes - diretor
Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS