Sexta-feira, 24 de NOVEMBRO de 2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

histórias da bola

Modernismos em campo

Publicada em 05/11/2017 às 18h47| Atualizada em 08/11/2017 às 11h39

“Times de futebol são como orquestras: se formam com muito ensaio” (Cesar Luis Menotti, técnico argentino).

“Igual ao pianista que deve ensaiar diariamente, um jogador de futebol precisa treinar sempre os gestos e as técnicas básicas” (Oliver Kahn, goleiro alemão)

 

Todo dia aparece uma expressão nova no futebol. Os times não jogam mais pelas pontas – jogam nas beiradas. Os laterais sumiram, agora são alas. O técnico Tite durante algum tempo disse que em futebol é necessário ter “clarividência”, querendo falar em clareza, até ser informado de que claridivente era vidente, isto é, pai-de-santo.

E ao contrário, muita coisa que se pensa hoje que é moderna, na verdade é bem antiguinha. Já em 1977 o Inter apareceu com uma jogada do lateral Cláudio Duarte que hoje é saudada como grande inovação: o arremesso lateral para dentro da pequena área do adversário. Pior: essa “novidade” já havia sido lançada pelo técnico peruano Dario Letona no próprio Inter – em 1942.

Outras coisas incrivelmente demoraram muito tempo para aparecer. O aquecimento muscular antes dos jogos é apenas de 1954, com a Hungria, mas era feito dentro do vestiário: só muitos anos depois é que se descobriu que era por isso que os húngaros já entravam em campo voando, inclusive fazendo dois gols nos primeiros dez minutos de todas as suas partidas na Copa do Mundo daquele ano.

O aquecimento dentro do campo, décadas depois, é uma contribuição brasileira, mas veio por vias transversas. Em 1977, nas eliminatórias para o mundial de 1978, a seleção brasileira foi jogar contra o Paraguai em Assunção. Sabendo que a vaia ia comer solta na entrada para a partida, o esperto técnico João Saldanha mandou as suas feras a campo uma hora antes.

– Vão lá e deixem que esses caras xinguem tudo o que guardaram – falou o João-sem-medo.

A torcida paraguaia gastou antes todo o estoque de berro e o Brasil ganhou por 3x0.

 

Agenda histórica do futebol gaúcho na semana

 

5.11, domingo

1978 – Jornal “Correio do Povo” informa que Estádio Beira-Rio será ampliado para mais 20 mil espectadores

 

6.11, segunda-feira

1935 – Morre aos 38 anos goleiro Eurico Lara, que jogou durante 15 no Grêmio

 

7.11, terça-feira

1982 – Inter derrota Grêmio por 3x1, três gols de Geraldão

 

8.11, quarta-feira

2008 – após dois empates de 0x0 Cerâmica de Gravataí elimina Grêmio da Taça Lupe Martins nos pênaltis em Eldorado

 

9.11, quinta-feira

1919 – Brasil de Pelotas é o primeiro campeão gaúcho, 5x1 contra o Grêmio na Baixada,em Porto Alegre

 

10.11, sexta-feira

1999 – Com gol de Dunga aos 36 minutos do segundo tempo, Inter vence Palmeiras por 1x0 no Beira-Rio e evita rebaixamento para segunda divisão

 

11.11, sábado

1975 – Zagueiro Figueroa renova contrato com Inter, C$41 mil mensais, então o maior salário do futebol brasileiro (4,5 mil dólares na época, R$15 mil hoje)

 

 

 

Últimas Cláudio Dienstmann

Administrativo/comercial
51 3046-6114 - Ramal: 200
Redação
51 3046-6114 - Ramal: 202

redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari - repórter
Guilherme Klamt - repórter/imagens
Silvestre Silva Santos - editor/economia
Maiara Tierling - administrativo/comercial
Rosângela Ilha - diretora
Roberto Gomes - diretor
Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS