Sexta-feira, 24 de NOVEMBRO de 2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

azzura fora da Copa

Imprensa italiana se desespera com ausência da Azzurra na Copa de 2018

Crônica anunciada de uma morte da Itália

Publicada em 14/11/2017 às 14h49| Atualizada em 16/11/2017 às 17h01

Em 1966, o futebol da Itália tomou uma decisão de choque: para desenvolver a formação dos jogadores de base do próprio país, proibiu a entrada de estrangeiros. A proibição durou 14 anos, até 1980, quando a Roma contratou o meia Falcão, do Inter.

Durante ao menos até a década seguinte – quando Espanha, França, Alemanha, Inglaterra, também entraram como compradores no mercado – o destino dos melhores jogadores do mundo era quase exclusivamente a Itália. A preferência contemplava atacantes: os holandeses Van Basten, Gullit e Rijkaard, os alemães Matthäus, Brehme, Völler, Klinsmann, os brasileiros Careca, Cerezzo, Zico e Ronaldo, os argentinos Maradona, Crespo e Batistuta, os franceses Platini e Zidane, o polonês Boniek...

Obrigadas a enfrentar esse enorme talento ofensivo, as equipes italianas conseguiram aprimorar os seus zagueiros – Scirea, Paolo, Maldini, Baresi, Nesta, Cannavaro ... O problema é que, com tantos estrangeiros à disposição  para o ataque, os clubes deixaram de formar atacantes locais. E foi assim, agora, que a Itália perdeu por 1x0 e empatou em 0x0 com a Suécia e ficou fora da Copa do Mundo de 2018, tomando apenas um gol mas não fazendo unzinho nos dois jogos do mata-mata.

Outra questão é que praticamente todos os jogadores da seleção da Itália  jogam em clubes italianos – exceção dos meias Verrati do Paris Saint Germain e Darmian do Manchester United –, mas isso que poderia ser uma vantagem na verdade é um problema porque todos os clubes do país no momento estão longe do primeiro nível europeu. Isso inclui a Juventus, com quase toda a defesa da seleção – Buffon, Barzagli, Chielini, Bernardeschi. No mais, foram chamados jogadores de Lazio, Torino, Roma, Milan, Inter, e até um brasileiro, o meia catarinense Jorginho, do Nápoli.

A tetra Itália é o único dos oito campeões que fica fora da Copa de 2018. É a sua terceira ausência: nos 20 mundiais anteriores, não teve interesses em jogar em 1930, e foi eliminada em 1958 pela Irlanda do Norte. No último jogo, derrota de 2x1 em Belfast dia 15 de janeiro, a Itália tinha quatro jogadores estrangeiros: o argentino Montuori, o brasileiro Dino da Costa, e os autores dos dois gols do Uruguai na final de 2x1 contra o Brasil em 1950, Maschio e Ghiggia. Em Belfast, em vez de herói, Ghiggia foi expulso e virou vilão.

 

 

 

Últimas Cláudio Dienstmann

Administrativo/comercial
51 3046-6114 - Ramal: 200
Redação
51 3046-6114 - Ramal: 202

redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari - repórter
Guilherme Klamt - repórter/imagens
Silvestre Silva Santos - editor/economia
Maiara Tierling - administrativo/comercial
Rosângela Ilha - diretora
Roberto Gomes - diretor
Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS