Segunda, 10 de DEZEMBRO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

opinião

O selo para ajudar o scratch brasileiro da Copa do Mundo de 1938

O Fantasma da Área e Getulio Vargas

Publicada em 18/02/2018 às 13h46| Atualizada em 21/02/2018 às 15h44

"Um craque de futebol capaz de representar o seu país deixa de ser patrimônio de clube, e passa a ser da confederação” (Luiz Aranha, presidente da Confederação Brasileira de Desportos, CBD, na década de 1930).

“A honra de um país não se lava e nem se mancha por uma vitória ou uma derrota num jogo de futebol, mas o triunfo é sempre um símbolo de poderio, e orgulha aos que, com maior ou menor intensidade, seguem torcendo” (Pedro Escamilla, jornalista espanhol).

 

Jogador gaúcho a seleção brasileira já teve um na primeira Copa do Mundo, em 1930, o ponteiro Moderato Wiesentainer, nascido no Alegrete – só que Moderato morava e estudava no Rio de Janeiro (engenharia) e jogava no Flamengo. De clube do Rio Grande do Sul o primeiro no mundial foi Luiz Luz, zagueiro do Americano de Porto Alegre (campeão estadual de 1928), em 1934, na Itália. A viagem foi de navio, o “Conte Biancamano”, 11 dias, com exercícios físicos a bordo.

Chamado de “O Fantasma da Área”, Luiz Luz gostava tanto de Porto Alegre que tratou seriamente de nunca sair. Saiu uma vez, para o Penharol do Uruguai, na época e durante muito tempo o mais rico e maior clube do futebol da América do Sul, mas voltou logo, porque ele e a mulher acharam insuportável o frio de Montevidéu. Em 1932 foi emprestado ao Inter para uma excursão a Curitiba, chegou a assinar inscrição com o colorado mas pediu e conseguiu a ficha de volta e ficou no Americano. Mais adiante Luiz Luz recebeu uma carta do técnico Flávio Costa perguntando se ele gostaria de jogar no Flamengo e, como um fantasma, nem respondeu. Finalmente, saiu do Americano, mas ficou por aqui: foi jogar no Grêmio. Seu filho, também Luiz Luz, jogou no Inter – zagueiro, claro.

 

Seleção brasileira treina a bordo do navio Conte Biancamano na viagem de 11 dias à Itália para a Copa de 1934: o primeiro jogador da fila é o zagueiro gaúcho Luiz Luz, seguido pelo goleador Leônidas da Silva

 

: Brasil na Copa de 34: na ordem, Martim, Pedrosa, Sylvio, Tinoco, Luiz Luz, Canalli, Armandinho, Waldemar, Leônidas, Patesko e Luizinho

 

Getulio – Para a terceira Copa, em 1938, na França, o governo brasileiro instituiu uma campanha de ajuda financeira à seleção, vendendo selos de 500 réis com os dizeres “Ajudar o “scratch” é dever de todo brasileiro” (o termo original completo em inglês, “scratch team”, “time selecionado”, primeiro foi reduzido, depois abrasileirado para “escréte”, e hoje é apenas “seleção”). A CBD prometeu uma casa a cada jogador, e toda a parte da renda do Brasil no jogo se o time chegasse à final. O apoio oficial, nessa época do Estado Novo, incluiu a escolha de Alzirinha Vargas, filha do presidente da república, Getulio Vargas, como madrinha do time, inclusive em fotos com os jogadores.

O terceiro mundial foi também o primeiro que teve transmissão de rádio dos jogos para o Brasil, com o narrador oficial da delegação, o paulista Leonardo Gagliano Neto, para a PRA-3 Clube do Brasil do Rio de Janeiro, e Cruzeiro do Sul e Cosmos de São Paulo, através da Companhia Rádio Telegráfica do Brasil, Radiobras. Grandes jornais do país contrataram taquígrafos para transcrever a narração de jogos, publicada no dia seguinte, e uma semana depois um filme compacto de cada partida do Brasil era exibido nos cinemas. 

 

: Jogadores com madrinha da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1938, Alzira Vargas, filha do presidente da República Getulio Vargas

 

Agenda histórica do futebol gaúcho na semana

 

18.2, domingo

1997 – Inter  goleia Guará em Brasília, 7x0, e já na volta traz zagueiro do adversário, o jovem Lúcio

 

19.2, segunda-feira

1978 – Falcão renova contrato com o Inter por salário mensal equivalente a 4.500 dólares, e “luvas” de 54 mil

 

20.2, terça-feira

1972 – Caxias x Grêmio é primeiro jogo com televisionamento a cores no Brasil, 0x0, Festa da Uva, geração da TV Difusora para rede nacional,  presença do presidente da república, general Médici 

 

21.2, quarta-feira

1918 – Criação da Associação Porto Alegrense de Desportos, APAD, que substitui a Federação Sportiva Rio-Grandense, FSRG

 

22.2, quinta-feira

2003 – Juventude derrota por 2x1 em Caxias o Grêmio, que tem três jogadores expulsos – Tinga, Claudiomiro e Rodrigo Fabri –, e Roger atingido por uma pedrada na cabeça: presidente da FGF, Emídio Perondi, interdita Estádio Alfredo Jaconi 

 

23.2, sexta-feira

2005 – São Gabriel 4x3 Grêmio no Olímpico, Novo Hamburgo 2x1 Inter no Santa Rosa

 

24.2, sábado

2011 – São José inaugura no Passo da Areia o primeiro gramado sintético de estádios do Brasil, em sua estreia na Copa do Brasil, e vence por 1x0 Paulista de Jundiaí, campeão do torneio em 2005

 

 

 

 

Últimas Cláudio Dienstmann

Paginas: [1] 2 3 Próxima »

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS