Sabado, 15 de DEZEMBRO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

opinião

Comemoração dos brasileiros na final da Copa de 58 | Foto CBF

Duas primeiras Copas do Mundo do Brasil, Oréco, celofane...

Publicada em 04/03/2018 às 13h36| Atualizada em 05/03/2018 às 19h45

“Alguns daqueles jogadores mal sabiam assinar o nome, mas era bom ser brasileiro porque brasileiro é assim mesmo e o futebol era uma amostra disso, nele estava tudo o que havia de mais brasileiro: a ginga do samba, a agilidade da capoeira, o repentismo dos cantadores de viola, a boa conversa, a imaginação, a fantasia, a música, a dança – era bom ser brasileiro porque eu sabia que o brasileiro podia fazer de qualquer outra coisa o que tinha feito com o futebol” (Mário Filho, jornalista, sobre o bicampeonato do Brasil na Copa do Mundo de 1962).

 

Depois de fracassar nas cinco primeiras Copas do Mundo, o Brasil finalmente foi campeão em 1958 na Suécia, pela primeira vez, e ganhou o bi em 1962, no Chile. O zagueiro gaúcho Oréco foi um dos personagens dessa história. Ele tinha começado a jogar futebol no Riograndense de Santa Maria, depois teve uma passagem brilhante pelo Internacional, e em 1957 já estava no Corinthians. Convocado para a seleção de 1958, dividiu os jogos de preparação e a titularidade com o lateral Nílton Santos, do Botafogo. Aí, já na Suécia, sofreu afundamento de malar num treino, e também por isso acabou não jogando.

Dia 2 de julho de 1958 a seleção brasileira campeã mundial pela primeira vez voltou ao país, e foi recebida pela presidência da república no Palácio do Catete, no Rio de Janeiro. Oréco foi se chegando bem devagar ao presidente Juscelino Kubitschek. Tinha um pedido a fazer:

– Presidente, eu queria muito que meu pai, Valdemar Alves Rodrigues, que foi demitido, seja de novo funcionário da Viação Férrea em Santa Maria.

O presidente deu um abraço em Oréco, disse “você é um bom filho!”, e sorriu, comovido. Foi só isso, ali no palácio. Dois dias depois, quando o jogador chegou a Santa Maria, encontrou o pai já novamente trabalhando.

Celofane – Em seu llivro “Copa do Mundo 62”, o jornalista Mário Filho revela as carências financeiras e de material da seleção por aqueles tempos. No Chile em 1962, por exemplo, a equipe ficou concentrada em chalés de dois quartos no “El Retiro”, em Quilpuê. Os deslocamentos para os jogos em Viña del Mar e Sntiago – o mais longo, 120 quilômetros – eram de trem, com sanduíches preparados na concentração.

Um aparelho de ultra-som e um de infra-vermelho só chegaram uma semana depois do time – até ali o médico Hilton Gosling e o massagista Mário Américo tratavam os jogadores (Zito, Vavá, Gilmar, Didi, Zagalo, Pelé ...) colocando uma folha vermelha de celofane na frente de uma lâmpada comum.

A maior distração eram jogos de dominó. Mais adiante veio uma mesa de pingue-pongue. Existia uma quadra de tênis, onde os jogadores jogavam com os pés. Havia um piano, e o técnico Aimoré Moreira tocava “Sobre as ondas” (valsa do mexicano Jose Juventino Rosas, nascido em 1968 e falecido em 1894, aos 26 anos). Uma vitrola tocava discos do cantor Miltinho, e na sala de cinema eram passadas “fitas” escolhidas pelo dentista Mário Trigo: filmes de faroeste do mocinho Randolph Scott.

O livro, editado pela revista “O Cruzeiro”, e “Drama e Glória dos bicampeões”, de Armando Nogueira e Araújo Neto, podem ser comprados pela internet. Mário Filho doou o seu dinheiro das vendas aos 22 bicampeões de 1962 – um título levantado em condições pra lá de precárias.

 

 

 

Agenda histórica do futebol gaúcho na semana

 

4.3, domingo

1970 – Seleção brasileira perde para Argentina no Beira-Rio, 2x0, amistoso

 

5.3, segunda-feira

1967 – Primeiro Gre-Nal e estreia da dupla no Torneio Roberto Gomes Pedrosa, “Robertão”, precursor do campeonato brasileiro, 2x0 Inter no Olímpico

 

6.3, terça-feira

1904 – Dois primeiros jogos de futebol entre clubes de Porto Alegre, no Campo da Blitz, duas vitórias de 1x0 do Grêmio contra o Fuss-Ball, disputa dos troféus Vereinspreis nos reservas e Wanderpreis nos times principais 

 

7.3, quarta-feira

1976 – Primeiro jogo de clubes gaúchos na Libertadores: Inter perde por 5x4 para Cruzeiro de Belo Horizonte no Mineirão

 

8.3, quinta-feira

1938 – Inaugurado Estádio da Montanha, do Cruzeiro de Porto Alegre

 

9.3, sexta-feira

1950 – Grêmio consegue 7,5 hectares da prefeitura de Porto Alegre, em documento assinado pelo prefeito Ildo Meneghetti (patrono do Inter) para construção do Olímpico, inaugurado em 1954

 

10.3, sábado

1918 – Primeiro jogo do Inter em Caxias, vitória de 2x1 sobre o Juvenil, na Quinta dos Pinheiros

 

 

Últimas Cláudio Dienstmann

Paginas: [1] 2 3 Próxima »

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS