Quinta-feira, 15 de NOVEMBRO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

opinião

Menino Getúlio entrando em campo com Neuer, em jogo no Beira-Rio, na Copa 2014

Um pesadelo trocado por outro maior

Publicada em 23/04/2018 às 10h23| Atualizada em 25/04/2018 às 15h22

“Vocês não sabem o quanto de Brasil existe em nós” (mensagem dos jogadores da Alemanha na internet – em português – antes da Copa de 2014).

“Foi uma derrota catastrófica, feia, horrível, a pior do mundo” (Luiz Felipe Scolari, técnico do Brasil, depois do 7x1 para a Alemanha).

“O futebol deve muito ao Brasil - o Brasil é e sempre será o país do futebol” (Lucas Podolski, jogador alemão).

“Depois de 5x0 no primeiro tempo, continuamos jogando sério, sem querer fazer mágicas: era a nossa forma de respeito para não humilhar o Brasil” (Mats Hummels, jogador alemão). 

“A Alemanha joga uma coisa que é o que existe de mais parecido com futebol – e geralmente dá certo” (Galvão Bueno, narrador).

“O futebol é um jogo simples: 22 caras disputam a bola durante 90 minutos – e no final os alemães vencem” (Gary Lineker, jogador inglês).

“Em futebol podemos perder um jogo ou um campeonato, mas não o orgulho, a identidade, as características – e isso, com todo o respeito, o Brasil perdeu” (Cesar Luis Menotti, técnico argentino).

“Alguns jogadores de futebol ficam bloqueados quando o técnico grita com eles, mas os piores são aqueles sem temperamento e os que desistem por qualquer pequena machucadura” (Américo Gallego, jogador e técnico argentino).

“A natureza do jogador de futebol brasileiro é imodificável” (Menotti).

“Jovens: tragam ela de volta para casa” (Lothar Matthäus, capitão da Alemanha campeã da Copa de 1990, em mensagem à seleção alemã em 2014).

 

Durante longos 64 anos o Brasil sofreu com a derrota de 2x1 para o Uruguai na decisão da Copa do Mundo de 1950, no Maracanã. No mesmo cenário, em seu segundo mundial em casa, em 2014, o país deveria ter a chance da redenção. Não teve: nem chegou à final, novamente no Maracanã – perdeu nas semifinais, e de goleada, 7x1 para a Alemanha. O pesadelo antigo foi trocado por outro maior!     

Dá para escolher o fato ou personagem da Copa de 2014, há muitas opções: o massacre na goleada alemã no Mineirão, a incrível Costa Rica que eliminou Itália e Inglaterra, a revelação colombiana e goleador do mundial James Rodriguez, a brutalidade do lateral Zuñiga que tirou Neymar do mundial, o medo de cobrar pênalti contra o Chile e o choro do capitão Thiago Silva, o gol do 1x0 do alemão Götze na final contra a Argentina, a chanceler alemã Angela Merkel com seus jogadores saídos do banho no vestiário do Maracanã...

A Alemanha fez tudo certo. Construiu a sua própria concentração e o centro de treinamentos na Bahia (e poderia ter sido no Rio Grande do Sul!), gravou uma mensagem de saudação ao Brasil, veio à Copa inclusive com uma camiseta semelhante à do Flamengo. Um trecho do seu hino menciona um país “fraternal com coração e mão” – “brüderlich mit herz und hand” –, referindo amizade, respeito, paixão, trabalho. Mas foi especificamente em Porto Alegre, os alemães de branco contra a Argélia de verde, dia 30 de junho de 2014 no Beira-Rio, que aconteceu o momento maravilhoso de um menino de nove anos com um grande jogador alemão.

Getúlio Felipe Fernandes da Silva, de Alvorada, nasceu com paralisia cerebral. Até os três anos nem conseguia caminhar, em 2014 era jogador de futebol, aos nove, goleiro, no Colégio Pastor Dohms. Após seis anos de exaustivos esforços e duros exercícios, que o levaram a uma recuperação pouco provável, lá estava ele, agora, entrando em campo com as próprias pernas, sorriso claro e enorme, mão dada com o melhor goleiro do mundo, o alemão Manoel Neuer.

O Brasil também fez coisas certas, apesar de escolhas estranhas da Fifa, como o alto número jogos no nordeste e norte, e o fato de que a seleção só jogaria no Maracanã se chegasse à final, o que não aconteceu. Houve as festas nas ruas, 98,4% de ocupação e 3,4 milhões de torcedores nos estádios, confraternização entre povos, segurança (temporária), craques...

Em campo é que não funcionou, apesar do retorno do técnico Luiz Felipe Scolari, campeão de 2002. Depois de uma classificação discreta na primeira fase, contra Croácia, México e Camarões, o primeiro aviso veio nas oitavas-de-final: 1x1 com o Chile, bola no travessão do atacante Pinilla no último minuto da prorrogação, 3x2 só nos pênaltis. Nas quartas o 2x1 sobre a Colômbia chegou com um gosto amargo: a joelhada de Zuñiga nas costas que tirou Neymar do resto da Copa.

Contra os alemães Felipão escalou Bernard, definindo o inexperiente meia revelado pelo Atlético Mineiro como “um jogador com alegria nas pernas”. Levou 7x1, sendo 5x0 só no primeiro tempo, e com uma saraivada de quatro gols em apenas seis minutos, de Klose aos 23, Kroos aos 24 e 26, Khedira aos 29. No intervalo, o técnico Joachim Löw lembrou ao seu time um jogo das eliminatórias em que a Alemanha vencia a Suécia por 4x0 e levou o 4x4, e deu só uma ordem: “Seriedade”. A conta acabou em sete, e para fechar o vexame o Brasil ainda levou 3x0 da Holanda no jogo do terceiro lugar.

Dos oito campeões, o Brasil ainda é o maior ganhador na história da Copa do Mundo, com cinco nas 20, contra quatro cada de Itália e Alemanha, duas de Uruguai e Argentina, e uma de Inglaterra, França e Espanha.

Agora é na Rússia!  

 

Agenda histórica do futebol gaúcho na semana

 

22.4, domingo

1958 – Jogador do Inter de 1952 a 1957, lateral Lindoberto morre de ataque cardíaco durante treino do São José

 

23.4, segunda-feira

1994 – Inter goleia por 4x0 seleção da Nigéria e ganha Torneio 25 anos do Beira-Rio

 

24.4, terça-feira

1953 – Início das obras do Estádio Olímpico, por Toigo & Cia.

 

25.4, quarta-feira

1961 – Grêmio 5x1 CSKA em Sofia, motorista de táxi búlgaro batiza filha como “Gremina”

 

26.4, quinta-feira

1992 – Inter em Gravataí, 3x1 sobre Cerâmica

 

27.4, sexta-feira

1910 – Fundação da Liga de Foot Ball Porto Alegrense, LFBPA, visando a organização do campeonato da cidade, com sete clubes na primeira vez: Grêmio, Fuss-Ball, Inter, 7 de Setembro, Frisch Auf,  S.C. Nacional e Militar – o primeiro campeão

 

28.4, sábado

1970 – Inter 2x0 seleção do Peru (classificada para a Copa do Mundo), em Lima, gols de Valdomiro e Claudiomiro; no Beira-Rio, primeiro jogo da Libertadores em Porto Alegre (desempate): Universidad de Chile 2x1 Nacional de Montevidéu 

 

Últimas Cláudio Dienstmann

Paginas: [1] 2 3 Próxima »

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS