Sexta-feira, 23 de AGOSTO de 2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

3° Neurônio

Arte sobre Pablo Neruda, de Ece Kırbaş

Evolução e mudanças

por Cláudio Dienstmann | Publicada em 06/05/2018 às 11h01| Atualizada em 05/07/2019 às 15h14

por Cláudio Dienstmann

“A essência do futebol era o gol, hoje é a obstrução ou a destruição: as regras do futebol são as únicas em que a marcação de falta beneficia o infrator” (Márcio Ramalho, escritor).

“Existe uma regra óbvia no futebol: quem tem a bola, domina o jogo” (Johan Cruyff, jogador e técnico holandês).

As primeiras regras do futebol surgiram em 1863, na Inglaterra, e em vez das atuais 17 e suas sub-divisões eram só 14. Com a rápida evolução do esporte, muita coisa que não existia no inicio foi sendo logo acrescentada, lá atrás:

1866 – impedimento

1868 –árbitro

1872 – escanteio

1873 – intervalo na troca de lado entre os dois tempos

1874 – auxiliares de arbitragem

1875 – travessão sobre os dois postes do gol

1890 – marcação das linhas do campo

1891 – expulsão, pênalti, súmula

1893 – apito, redes, arremesso lateral com as mãos

1912 – goleiro não pode mais pegar a bola com as mãos fora da área

 

Depois disso, pouco ficou faltando. Só em 1990, por exemplo, foi decidida a proibição do goleiro defender com as mãos a bola atrasada com os pés. Mas sempre há lugar para as novidades, e inclusive copiar outros esportes menos resistentes a mudanças. Uma minúcia sobre a bola fora de jogo seria um dos casos no futebol.

No vôlei, onde se conta o ponto quando a bola bate no chão, o jogador pode defendê-la até no meio dos torcedores: se conseguir evitar que ela caia  e mandá-la de volta à quadra, é jogo que se segue. Idem no tênis, onde os jogadores jogam mais fora do que dentro da quadra e a maioria das raquetadas é dada de fora. No basquete os pés do atleta têm que estar dentro, mas ele pode pegar a bola com as mãos fora das linhas e a partida continua.

Pense nisso para o futebol: bola fora só quando ela bater no chão depois das linhas, laterais e de fundo. Seria ótimo: exigiria mais habilidade dos jogadores, daria ao jogo menos laterais e mais tempo de bola, e traria mais gols – especialmente nos escanteios. Pense só nos escanteios.

Na regra atual, a cobrança em curva e pelo alto vai resultar numa bola vindo de frente para quem está se defendendo, e escapando de quem está atacando; toda a vantagem é dos defensores, que nesse caso sempre pegam a bola de frente quando ela chega à área. Com a mudança da regra, a curva da bola no escanteio poderia ser feita de fora para dentro do campo, e – exatamente ao contrário – ela viria escapando dos defensores e de frente para a conclusão do time atacante. Isso significaria ainda a verdadeira e justa punição ao time que usou o recurso de ceder o escanteio, e em especial é claro que o futebol ganharia mais gols!

Pois é isso. Tudo muda, no futebol, na vida, na mídia. Regras evoluem, as pessoas mudam. De vez em quando é necessário reestudar situações, colocar-se dentro de uma situação nova, mudar, terminar. Colunistas vêm e vão, começam e terminam, tudo tem um ciclo. Tem que ser como numa festa: ela pode ter encanto mas só é boa quando termina bem, sem muita gritaria.  

Antes de cansar a paciência dos leitores com a narrativa de memórias nem tão interessantes assim, é hora de pegar a boné e entregar o espaço. Obrigado pela honra da oportunidade. Foi bom poder ter estado aqui durante um ano inteiro. Na despedida, fica este poema, “Sê”, do chileno Pablo Neruda, para todo mundo refletir:

“Se não puderes ser um pinheiro no topo de uma colina

Sê um arbusto no vale, mas sê

O melhor arbusto à margem do regato.

Sê um ramo, se não puderes ser uma árvore.

Se não puderes ser um ramo, sê um pouco de relva

E dá alegria a algum caminho.

Se não puderes ser uma estrada,

Sê apenas uma senda,

Se não puderes ser o Sol, sê uma estrela.

Não é pelo tamanho que terás êxito ou fracasso...

Mas sê o melhor no que quer que sejas.

 

Agenda histórica do futebol gaúcho na semana

 

6.5, domingo

2007 – Grêmio bicampeão gaúcho, 4x1 no Olímpico contra o Juventude, vice

 

7.5, segunda-feira

2017 – Novo Hamburgo pela primeira vez campeão gaúcho, 1x1 e 3x1 pênaltis Inter, Centenário, Caxias 

 

8.5, terça-feira

1938 – Rádio Farroupilha paga l conto e 150 mil réis para “transmissão e propaganda” de Gre-Nal, sendo 150 mil à Associação dos Cronistas Desportivos, ACD, hoje ACEG

 

9.5, quarta-feira

1960 – Clubes da Divisão Especial – Inter, Grêmio, São José, Cruzeiro, Aimoré, Floriano, Juventude e Veronese de Canoas – repassam C$180 mil de direitos de transmissão pagos pela  TV Piratini à Associação Rio Grandense de Árbitros, ARGA

 

10.5, quinta-feira

1936 – No primeiro jogo entre os dois clubes, Inter goleia Juventude por 6x1, na Quinta dos Pinheiros, em Caxias

 

11.5, sexta-feira

1960 – Grêmio coloca traves roliças no Estádio Olímpico

 

12.5, sábado

1918 – Fundação do Sport Club Gaúcho de Passo Fundo

 

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS