Sexta-feira, 19 de JANEIRO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

opinião

Esperar o quê?

Publicada em 30/10/2017 às 08h33| Atualizada em 01/11/2017 às 16h02

Quem me conhece sabe que eu sou um cara muito paciente. Até mais do que deveria ser, em alguns pontos. Pois bem, ultimamente vem ocorrendo coisas que estão me fazendo pensar em agir um pouco diferente, estão me motivando a correr mais atrás daquilo que eu quero.

E o fato é esse: uma simples conversa talvez tenha feito eu abrir os olhos e começar a "brigar" por aquilo que acredito ter direito. Não dá pra simplesmente ficar esperando a vida nos dar oportunidades, temos que criá-las para que aconteçam. Não é fácil, eu sei... mas tudo o que fiz em toda minha vida, basicamente, se resumiu em esperar que chances caíssem no meu colo.

 

A exceção à regra

Por experiência própria, digo que em uma das poucas vezes em que me mexi para alcançar algum objetivo mais além dos meus alcances, obtive resultado positivo. Um simples exemplo é o meu emprego atual. Sou concursado. Para isso, tive que fazer uma prova - e para ser aprovado tive que estudar o suficiente para me classificar entre os aprovados e, ainda, obter uma classificação que me permitisse ser nomeado e exercer as funções que executo hoje.

Então, por que não criar mais exceções? Bem, o medo das mudanças é o principal fator que faz com que a gente fique estagnado. E, como disse ali em cima, uma conversa me fez começar a pensar um pouco diferente agora. Na verdade não tenho nada a perder, a não ser que eu quebre alguma regra - o que poderá me gerar muitos outros problemas. Mas batalhar pelo que é seu - ou por aquilo que acreditamos ter direito - não é crime.

Na pior das hipóteses, talvez essa busca pelo que considero ser merecedor, poderá criar um clima, a princípio, meio pesado. Mas isso passa e talvez nem ocorra se palavras forem bem colocadas.

 

Um pensamento

Tem um pensamento que costumava repetir para mim mesmo quando era bem mais jovem, principalmente quando ia para as "baladas": se eu não tentar nada, já tenho um não como resposta. Então por que não arriscar ouvir esse não? Quem sabe a resposta não é outra?

Mesmo assim, com minha forte introspecção de uns dez anos atrás, eu pouco agia. Mas quando agi obtive resultados. Tá certo que alguns não me orgulham muito hoje em dia, mas foram resultados positivos, já que a princípio eu não tinha nada.

Mudar essa atitude não é fácil. Mas o simples fato de pensar diferente já dá um ânimo muito mais positivo no dia a dia. Sei que vou ter que batalhar muito comigo mesmo para que esse meu pensamento atual vire rotina e que eu sempre "brigue" por aquilo que eu achar meu por direito. Mas isso faz parte da vida.

 

A conversa

Já que eu disse que uma conversa me fez ver as coisas diferentes de uns dias pra cá, por que não falar um pouco sobre essa conversa? Bem, uma pessoa me falou que sempre foi muito certinha, principalmente no trabalho, e que sempre esperou sua vez na fila chegar. Mas o problema é que ela, também - assim como eu -, sempre viu outras pessoas passarem na sua frente, sem qualquer merecimento muitas vezes.

Então eu ouvi dela que, dada a frequência que isso acontecia, ela resolveu mudar e ser mais "cara de pau" e começar a, pelo menos, pedir. E foi pedindo que ela começou a se dar bem e ser valorizada - e, por consequência, teve muitas oportunidades de mostrar sua capacidade e seu valor.

Por conta disso - e um pouco mais - que resolvi que está na hora de mudar, mudar pra melhor e começar a ser um pouco mais chato com os outros: pedindo e insistindo que sou tão capaz quanto qualquer outra pessoa. Tudo o que precisamos é de oportunidades. Então vamos criá-las!

 

Últimas Alexandre Bringhenti

Administrativo/comercial
51 3046-6114 - Ramal: 200
Redação
51 3046-6114 - Ramal: 202

redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari - repórter
Guilherme Klamt - repórter/imagens
Silvestre Silva Santos - editor/economia
Maiara Tierling - administrativo/comercial
Rosângela Ilha - diretora
Roberto Gomes - diretor
Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS