Quarta-feira, 18 de JULHO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

opinião

Reign: A série baseada na vida da rainha da Escócia

por Bruna Lopes | Publicada em 04/02/2018 às 13h08| Atualizada em 13/06/2018 às 16h

Olá, pessoal

Nesta semana terminei a série Reign e quero muito compartilhar com vocês um pouco da minha opinião sobre a produção. Por saber que ela foi baseada em fatos reais, deixei para depois do término para pesquisar sobre o tema. Como nunca estudei sobre a vida da rainha da Escócia, Mary Stuart (que governou ainda no século XVI), quis evitar os muitos spoilers que iria encontrar.

 

Mas, antes de separar o que é história e o que é apenas ficção, vou contar um pouco sobre a série. Reign teve sua estreia em 2017 e o desfecho no ano passado. A história - dividida em quatro temporadas, todas disponíveis na Netflix -  conta a vida de Mary, a jovem rainha da Escócia que passou metade da vida escondida em um convento. Após uma tentativa de homicídio, foi enviada à França para se casar com o futuro rei, o príncipe Francis. A união foi determinada quando ainda eram crianças e a tarefa deveria ser simples: eles se casariam, unindo os dois países. No entanto, ela acaba descobrindo que sua estadia na corte francesa não terá nada de simples. Em meio a intrigas, profecias, mistérios e muito romance, Mary deverá encontrar uma forma de salvar a si mesma e o seu país.

 

Na minha opinião, Reign é bastante inspiradora e mostra o poder que as mulheres nascidas na realeza precisavam ter para garantir o seu espaço. Ao longo das temporadas, Mary e Elisabeth (rainha da Inglaterra) mostraram que seu único pecado - aos olhos dos nobres - foi não ter nascido homem. E, por isso, elas se esforçavam para serem respeitadas e não terem suas cabeças decapitadas - e isso NÃO é uma força de expressão. Além disso, é claro que a série fala bastante sobre religião, o poder dos católicos e o crescimento do Protestantismo. 

 

Logo nos primeiros capítulos achei a série parada, mas lá pelo sexto ou sétimo episódio a história começa a ganhar a força e eu não consegui mais parar de assistir. Mandei pra todo mundo: mãe, tia, amigas e papagaios e sempre dizia: passa do sexto episódio, eu juro que fica maravilhoso! 

 

ALERTA SPOILER!

 

Mas, agora vamos a comparação do que realmente aconteceu  e do que foi modificado pelos criadores da série. Segundo o site adelaidekanebr.com - criado por fãs da atriz - as diferenças entre o que realmente aconteceu e o que foi criado na ficção têm como objetivo tornar a série mais envolvente - o que eu concordo totalmente. Porém, algumas delas chegam a ser bastante curiosas.


A primeira diferença é encontrada na árvore genealógica dos "Valois" (os nobres que comandavam a França). Na série, Henry e Catherine tiveram 9 filhos, no entanto, na realidade esse número é um pouco maior, o casal teve 12 filhos. Adicionalmente, em "Reign", Francis (destinado a casar com Mary) possuí dois meios-irmãos, Sebastian e Clarissa, na realidade haviam três filhos ilegítimos, todos eles gerados pelo rei Henry II, e nenhum desses era Sebastian. Não há também nenhuma evidência da existência de Clarissa fora da série. Historicamente, Francis não teve nenhum filho com Mary – assim como na série – mas também não teve nenhum filho com nenhuma das damas de Mary, como acontece em "Reign" em que ele e Lola têm um filho. 

 

Outras curiosidades que achei interessante: Francis, na vida real, possuía uma saúde bem frágil e era baixo. Todas as quatro damas de companhia se chamavam Mary, este fato foi mudado na série para não gerar confusão. A relação de Kenna com Rei Henry é ficção. Leith nunca existiu. A princesa Claude, na vida real, se casaria com Carlos III, duque de Lorena, com quem teria 9 filhos. Na série, Francis rouba a armadura de Montgomery e mata seu próprio pai, mas na realidade foi o próprio Montgomery que acertou o Rei Henry. Não há confirmação histórica sobre o estupro de Mary na França.

 

Espero que tenham gostado de ler um pouco sobre Reign. A série, além de cativante e emocionante, ainda te ensina um pouquinho sobre parte da história do século XVI. Não deixe de dar uma conferida. 

 

Até a próxima.

 

 

Administrativo/comercial
51 3046-6114 - Ramal: 200
Redação
51 3046-6114 - Ramal: 202

redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari - repórter
Guilherme Klamt - repórter/imagens
Silvestre Silva Santos - editor/economia
Maiara Tierling - administrativo/comercial
Rosângela Ilha - diretora
Roberto Gomes - diretor
Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS