Sexta-feira, 19 de ABRIL de 2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

coluna do leandro

Eu conheço teu passado

Publicada em 25/09/2018 às 15h11| Atualizada em 03/10/2018 às 18h21

– Fala Branca de Neve!

Gritou o colega sentado na quarta-fileira da direita, no banco da janela, conseguindo uma gargalhada dos outros 28 colegas. Enquanto isso, o Armando subia no ônibus, que levava todos para a fábrica, meio desconsertado e ainda vestindo o jaleco.

E não deixou de retrucar:

– Fica na tua Berinjela! Conheço o teu passado!

E com essa até o motorista, novo na linha fretada, deu um sorriso que ficou marcado no retrovisor.

Aquela viagem que iniciava diariamente às 5h30 com a primeira parada, terminava cerca de 68 minutos depois com o desembarque do último passageiro. Mais tarde, na volta pra casa, o mesmo trajeto ganhava mais uma porção de minutos com o engarrafamento do horário.

E era nesse tempo que se trocava experiências, histórias de vida, lamúrias do dia anterior, reclamações do chefe e muitas, mas muitas piadas. E com todo esse repertório armazenado, naturalmente ocorria um “batismo”, com apelidos que surgiam, às vezes, no meio de uma conversa.

– Sabe o dia que tu tava dormindo no banheiro? Bem na hora chegou o encarregado novo procurando por ti.

– Quem? O Alemão baixinho?

– Não! Aquele bem magrinho, com cabelo compridinho. Vassorito! Ahahaha!

Era assim. A brincadeira de renomear as pessoas dava uma nova vida para cada um e até poderes especiais. Era como uma identidade especial, que só pertencia ao Mundo do Trabalho e sob a qual se escondia toda a rebeldia, mas também as virtudes profissionais.

E meio assim surgiram o Zoreia, o Faiado, o Ralado, o Alça de Bica (!), o Priscila, o Mastiga, o Garrafa, o Pai de Dois e o Branca de Neve. Aliás, ninguém conhecia o Seu Armando pelo nome. E até ele mesmo sequer atendia quando o chamavam assim. Até por Branca ele respondia em meio ao barulho das máquinas da linha de produção. A origem do apelido nem ele sabia. Se perguntassem diriam que a inspiração viera do cabelo branco como a neve, mas pouco importava. Até porque, uma semana depois veio a última viagem, pois a aposentadoria saiu.

E naqueles minutos finais dentro da carroceria Marcopolo, não faltou um parabéns de despedida e uma sobremesa roubada do refeitório pra comemorar a saída do Seu Armando. Teve discurso, abraços calorosos e lágrimas nos olhos. Foi daí em diante que o Daniel ficou conhecido como o Chorão!

Últimas Leandro Melo

Paginas: [1] 2 Próxima »

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS