Quarta-feira, 14 de NOVEMBRO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

opinião

Esse turu turu turu

Publicada em 24/09/2018 às 16h46| Atualizada em 03/10/2018 às 18h21

A cada passo que dou até o local marcado para assistir ao espetáculo, minha mente de recorda do nosso primeiro encontro. Era um domingo de sol, o ano era 1998 e o local era o Gigantinho. A primeira vez que a vi foi com um binóculo, em um dos últimos acentos do lado direito do estádio. Ainda escuto perfeitamente o grito de guerra: “Oh, Sandy e Junior! Cadê vocês? Eu vim aqui só pra te ver!” Na época, eu nem imaginava que isso se tornaria uma lembrança tão significativa.

O tempo passou e o amor só aumentou.

Depois de 20 anos, mais um reencontro. Agora com um show mais intimista. Trocamos o piso duro do estádio pelas poltronas confortáveis do Teatro do Bourbon Country. Não há mais filas imensas e nem atrasos.

Mas meu coração continua acelerado.

Lá dentro nada mudou: cartazes com “Eu te amo”, pipoca, camisetas estampas com o rosto da Sandy e muita ansiedade para o início do show. Depois que as cortinas se abrem, é só emoção.

Meu peito chora de tanta felicidade.

Logo nos primeiros acordes, eu não consigo explicar a emoção que atinge 98% do público. Se você olhar ao redor, encontrará centenas de fãs chorando. E eu sou umas delas! Choramos de alegria, de amor e (alguns) de desespero... o importante é que ela sempre foi grata a todo esse carinho. Talvez você deve achar tudo isso muito engraçado. E está certo. Mas não há palavras para explicar tal sentimento. É cômico pensar que ainda ficamos emocionados ao ouvir – depois de 20 anos – a mesma frase: “Boa noite, Porto Alegre! Tudo bem com vocês?”. A reposta sai entre lágrimas e gritos.

Não sei dizer quando tempo dura o show. Nem quantas músicas são tocadas. Muito menos mostrar para vocês alguma foto ou vídeo. Eu vivo cada minuto. E o melhor: eu guardo todas as lembranças na minha memória. Igualzinho aos shows da minha infância. Tudo isso junto e misturado me levam às lágrimas... não de desespero, mas de alegria.

Se vocês se perguntam como eu vou reagir no dia que encontrar a Sandy pessoalmente, só tenho uma coisa a dizer: já assistiram a reação da funkeira Lexa ao ver a Sandy? Então, assistam que você irão entender...

Últimas Tainá Rios

Paginas: [1] 2 3 Próxima »

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS