Quarta-feira, 17 de OUTUBRO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Oi, filho

Não se fazem mais avós como antigamente

Publicada em 26/07/2018 às 16h48| Atualizada em 01/08/2018 às 09h36

Sabe aquela senhorinha meio corcunda, que senta ao lado de um cachorro na sombra do abacateiro para fazer crochê? Ela está em extinção, meus amigos. Com a expectativa de vida do brasileiro subindo e os avós se aposentando cada vez menos idosos, exemplos não faltam de quem começa uma atividade física, um grupo de dança, teatro ou música. Fora quando os netos chegam cedo demais, como no caso do Beni.

Assim, do dia para a noite, transformamos quarentões com tudo em cima em vovós, tios ainda mais jovens em tios-avós. Nossos avós viraram bisa e pasmem, até uma tataravó o Beni tem.  Ao todo são cinco avós, oito bisas e uma tata. Todos depositando muito amor no Beni e quebrando altos galhos para a gente. Avós são pais com muito açúcar, ensinam a bater na mesa enquanto a comida não chega, a escalar as grades... dá aquela mãozinha para começar a caminhar e sabe exatamente o que fazer para comer.

E tem coisa melhor que comida de vó? Claro que não! Sabor de amor e cheirinho de carinho. Os ensinamentos dos avós e suas histórias são sempre uma boa pedida para uma tarde chuvosa.

Os meus avós tem cheirinho de Alma de Flores, a oficina onde o vô conserta violões tem cheiro de verniz fresquinho e a cozinha da vó tem sempre uma gostosura saindo do fogo. A carne de panela da vó é de lamber os beiços.

O Beni tem  avós que vão no cinema, que jogam futebol, que vão a praia e tomam cerveja nos dias quentes. Os avós mudaram, mas o amor pelos netos nunca vai mudar. Não quero nem pensar no quanto de amor deve ter dentro de mim, pronto para explodir quando o Beni me der netos, mas consigo ter uma ideia ao ver o carinho de nossos pais com ele.

Por isso, essa coluna de hoje é para dizer muito obrigado. Pela ajuda e suporte de todas as formas possíveis. Pelas vezes que ligamos tarde da noite perguntando se era normal uma bolinha embaixo do pescoço, ou como se fazia uma boa sopinha. Criar um filho não é nada fácil, mas vocês conseguem deixar muito menos difícil. Obrigado, obrigado e obrigado por tudo!

Feliz dia dos avós.

 

Últimas Vinicius Ferrari

Paginas: [1] 2 Próxima »

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS