Domingo, 26 de MAIO de 2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

coluna do ferrari

Geraldinho: Eu não teria maturidade para fazer metade do que Bonatto fez

Publicada em 18/04/2019 às 12h12| Atualizada em 23/04/2019 às 11h34

A coluna da semana passada, em que anunciamos a escolha de Geraldinho Filho para presidente dos tucanos em Viamão, repercutiu bastante nas redes sociais, e fora delas. No texto, falávamos sobre a possibilidade do político ser o plano B do PSDB para concorrer a prefeitura, caso o ex-prefeito Valdir Bonatto não consiga se candidatar devido a reprovação de suas contas pela Câmara de Vereadores.

 

Depois de duas semanas sendo parado nas ruas, o ex-deputado federal resolveu ligar para a redação para esclarecer: ele não é o plano B:

- Eu sou o plano G, de Geraldinho. Temos ainda o plano B de Belamar, o plano E de Engenheiro Nilton, plano F de Francinei e eu posso te dizer aqui todo o alfabeto de possibilidade para assumir o nosso projeto dentro dos quadros do PSDB. O nosso candidato é o Bonatto, até a justiça bater o martelo em todas as instâncias ou ele realmente não quiser concorrer - diz o novo presidente.


 

O político acredita que a decisão da Câmara de condenar as contas do ex-prefeitos não terá efeito, pois outras situações parecidas já foram derrubadas pelo STF.

 

- O STF já decidiu sobre o tema: quando um legislador está investido de juiz para julgar o executivo, ele precisa necessariamente utilizar as provas técnicas que são apresentada - ou seja, o documento do TRE que aprovava as contas - além de que em qualquer julgamento é preciso dar direito ao contraditório, para que o acusado possa dar sua versão dos fatos. Isso não aconteceu - rebate Geraldinho.


 

VOLTA PRA CASA

 

Outro ponto da coluna chamou a atenção do, agora, presidente Geraldinho. Quando fizemos a linha do tempo do político, não mencionamos que seu primeiro partido foi, na verdade, o PSDB. O pai de Geraldinho, Antônio Geraldo de Souza Henrique, era filiado ao PMDB quando o partido dos tucanos foi criando. Geraldo pai teve sua ficha abonada por Mário Covas e o filho, naquela época já envolvido na política estudantil do Champagnat, virou secretário nacional da juventude tucana.

 

- Quando eu encontro ex-colegas de Champagnat, eles acham muito natural essa minha ida para o PSDB. Eu encaro como uma volta para casa, e é uma satisfação enorme para mim ser o responsável por liderar o partido até 2021.

 

Ainda segundo Geraldinho, quando concorreu em 2012 a prefeito seu principal opositor não era Bonatto e sim o projeto do PT. Para ele, as ações de Bonatto frente ao governo, como ter zerado a dívida do município de R$ 35 milhões e entregue o caixa zero para André Pacheco o fazem o melhor prefeito que a cidade já teve.

 

- Eu digo com muita tranquilidade que se eu tivesse vencido as eleições em 2012, não teria tido a maturidade para fazer metade do que Bonatto fez - conclui.

Últimas Coluna do Ferrari

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS