Sabado, 16 de DEZEMBRO de 2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

rio gravataí

Coleta de amostras foi feita após sobrevoo que identificou irregularidades no plantio no rio

Arrozeiros perderão licenças por lançar lodo e veneno no Gravataí

por Rafael Martinelli | Publicada em 22/11/2017 às 15h53| Atualizada em 26/11/2017 às 16h04

Minutos após ir ao ar a reportagem do Diário de Viamão sobre a turbidez da água do Rio Gravataí e a suspeita de contaminação por agrotóxicos, a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) anunciou que aceitou o pedido da Fundação de Meio Ambiente de Gravataí (FMMA) e a recomendação do Ministério Público Estadual para suspender as licenças ambientais e obstruir drenos de fazendas de produção de arroz que estão jogando resíduos de lodo – e possivelmente veneno – na bacia hidrográfica.

 

LEIA TAMBÉM

Em 15 dias a medida da sujeira e do veneno na água que bebemos

 

A diretora-presidente da entidade, Ana Pellini, disse à Zero Hora, em matéria também publicada logo depois da postagem do Diário de Viamão, que os proprietários das fazendas serão multados e as áreas não poderão produzir arroz a partir da próxima colheita. 

— Eu vejo que temos que achar o equilíbrio entre a atividade econômica e o meio ambiente para que ninguém saia prejudicado. Esse sistema não é recomendado. Isso compromete a qualidade da água e prejudica a população. Vamos tomar as providências. Não é possível que, ano após ano, nós tenhamos problemas — argumentou, se referindo à cultura de arroz irrigado que, pelo Plano de Manejo da Bacia Hidrográfica do Gravataí que tem prazo de conclusão no ano que vem, será proibida a partir de 2022. 

Conforme Pellini, as licenças serão cassadas após a conclusão do cálculo das multas que serão aplicadas aos produtores, que além da esfera administrativa responderão nas civil e penalmente, como pediu o promotor Eduardo Viegas.

Como o Diário de Viamão revelou, no mesmo período de 2016, quando a sujeira das plantações prejudicou o abastecimento de água, um pedido semelhante já tinha sido feito pelo Comitê da Bacia do Gravataí, mas sem resposta da Fepam. Com a reincidência do problema, o órgão agora vai agir.

 

Voo mostrou camada de sedimentos liberados das lavouras diretamente no Rio Gravataí

 

Operação conjunta

 

São quatro as fazendas que estariam descartando irregularmente resíduos agrícolas nas águas da bacia, entre Viamão, Glorinha e Gravataí, conforme apurado em investigação feita com um sobrevôo e pesquisa de campo em operação deflagrada na semana passada reunindo Fepam, FMMA, MP e Grupamento Ambiental da Brigada Militar.

A contaminação por agrotóxicos e o nível oficial de turbidez do rio serão divulgados em 15 dias, com base em mais de 20 exames que estão sendo feitos em amostras coletadas durante a operação conjunta dos órgãos ambientais.

 

 

 

 

Administrativo/comercial
51 3046-6114 - Ramal: 200
Redação
51 3046-6114 - Ramal: 202

redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari - repórter
Guilherme Klamt - repórter/imagens
Silvestre Silva Santos - editor/economia
Maiara Tierling - administrativo/comercial
Rosângela Ilha - diretora
Roberto Gomes - diretor
Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS