Terça-feira, 11 de DEZEMBRO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

meio ambiente

Recursos serão destinados ao plantio na região do Banhado Grande | Foto: DIVULGAÇÃO

Governo oficializa R$ 2,9 milhões para salvar o Rio Gravataí

por Eduardo Torres | Publicada em 15/05/2018 às 14h40| Atualizada em 18/05/2018 às 10h12

O governo estadual lança, com cerimônia, no começo da tarde desta terça-feira (15), no Palácio Piratini, o plano de Recuperação Hidroflorestal da Bacia do Gravataí. O projeto prevê investimento federal de R$ 2,9 milhões para a recuperação de matas ciliares ao longo das nascentes dos Rio Gravataí, especialmente na região da Àrea de Preservação Ambiental (APA) do Banhado Grande, que abrange territórios de Gravataí, Glorinha, Viamão e Santo Antônio da Patrulha. Pelo convênio com o Fundo Nacional do Meio Ambiente, o projeto já deveria estar em fase de execução desde janeiro, mas na prática, somente neste último mês começaram reuniões com a comunidade.

 

O que falta para que o plano saia do papel é justamente a parte mais complicada. Convencer os pequenos produtores rurais a participarem desta ação que, no fim das contas, tem a intenção de aumentar a disponibilidade hídrica do Gravataí. É que o projeto prevê o plantio de mudas nas áreas próximas dos cursos d'água e nascentes ao longo de 710 hectares que passariam a produzir água. Difícil de entender? Pois esta tende a ser a primeira experiência de compensação financeira a produtores — com áreas de até 10 hectares — que abram mão de parte do seu terreno para recuperação da mata ciliar. Uma ideia que não é nova, está entre os pilares do Plano de Bacia desde 2011, mas nunca antes houve recursos para mapear e estabelecer a parceria com os pequenos produtores. Tampouco para dar garantias aos produtores de que seriam recompensados.

 

: Mapeamento feito pelo Instituto Etnia Ecológica localizou 381 nascentes, marcadas em vermelho

 

Pagamento para produzir água

O projeto é liderado pela ONG Instituto Etnia Ecológica, de Nova Petrópolis, e é da cidade da Serra que sairão das 150 mil mudas previstas para plantio. Este foi o único projeto gaúcho aprovado neste edital do Fundo Nacional do Meio Ambiente para compensação por "produção de água".

Até agora o Instituto tem um mapeamento inicial de 381 nascentes na área do projeto, entre 450 propriedades particulares e duas públicas — o Assentamento Filhos de Sepé e o Refúgio de Vida Silvestre Banhado dos Pachecos, ambos em Viamão. 

A ideia é que cada uma dessas propriedades se torne um projeto de recuperação de área degradada (PRADA). Eles serão a base para estabelecer o plano regional para pagamento por serviços ambientais de produção de água — o valor a ser pago ao produtor. A arrecadação desta verba precisará ser regrada, como um dos serviços inclusos no fornecimento de água da região.

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS