Quarta-feira, 26 de SETEMBRO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

mobilidade

Praça de pedágio da Concepa em Gravataí pode ter que deixar de cobrar para a passagem de veículos se o contrato de concessão não for prorrogado mais uma vez

Menos de 20 dias para o pedágio da Freeway deixar de ser cobrado ou...

por Silvestre Silva Santos | Publicada em 14/06/2018 às 15h31| Atualizada em 20/06/2018 às 17h05

Há menos de 20 dias do fim do prazo (23h59min do dia 3 de julho) para que a Freeway seja concedida por meio de licitação pública à uma nova administração, ou renovado o contrato com a atual permissionária Concepa, tudo o que paira no ar são incertezas sobre o que vai acontecer com a principal rodovia que liga a capital dos gaúchos, Porto Alegre, ao Litoral Norte do estado, passando por Cachoeirinha e Gravataí, entre muitos outros municípios.

Se não houver ‘a prorrogação da prorrogação’ do contrato, o que pode acontecer é que os motoristas que trafegarem pelos 120 quilômetros entre Porto Alegre e Osório começarão o próximo dia 4 de julho dirigindo por uma rodovia – em tese e pelo que reza o contrato vigente – sem dono e, por isso, sem ter que pagar para cruzar pelas praças de pedágio de Gravataí e Santo Antônio da Patrulha.

Pelas mesmas razões, os usuários ficarão “sem pai nem mãe”, pois deixarão de contar com serviços de manutenção da estrada e de atendimentos de urgência e emergência em casos de pane nos veículos ou de acidentes, no trecho. Muito provavelmente isso não vai acontecer, e é bem provável que se repita o que houve no ano passado: à undécima hora, a apenas uma semana do fim do prazo, a prorrogação foi assinada.

 

Nem navios

 

A situação é tão escabrosa que até mesmo o vão móvel da Ponte do Guaíba pode deixar de subir e descer para permitir a passagem de navios. É que só quase ao apagar das luzes é que o Departamento Nacional de Infraestrutura dos Transportes (Dnit) ‘se deu conta’ que era necessário licitar a empresa para continuar operando a facilitação à navegabilidade sob a ponte símbolo da capital.

O edital foi publicado nesta segunda-feira (11/6) e o resultado deve ser sabido até o dia 20. Se não houver contratempos, o serviço não deve ser prejudicado. Mas se acontecer de mais empresas se interessarem pelos cerca de R$ 14 milhões previstos pelo Dnit para serem pagos no período de 12 meses, algo como R$ 1,17 milhão ao mês, e por alguma razão a decisão acabar dependendo do Judiciário, pode dar problema.

 

Riquezas gaúchas

 

Tudo aponta para uma nova prorrogação, tanto para que a Concepa continue gerindo a Freeway quanto para a operacionalização do vão móvel da Ponte do Guaíba. Prorrogações que, é bom deixar claro, só estão acontecendo porque lá em 3 de julho de 2016 venceu a concessão federal para que a Concepa cuidasse da estrada por onde escoam as riquezas que os gaúchos mandam para o resto do Brasil.

E o novo modelo de licitação criando novos pedágios no estado e a mudança da praça de cobrança, que fica aqui na aldeia, para depois do Complexo Industrial Automotivo de Gravataí (leia-se General Motors e suas sistemistas), entre outras providências, ainda não saiu da fase de discussões.

Foram várias as audiências públicas que aconteceram Rio Grande afora para tentar compatibilizar interesses de uns e de outros já que o modelo proposto no início previa a privatização de importantes rodovias, como, além da BR-290 (Freeway), a BR-386 (chamada Estrada da Produção), a BR-116 (Porto Alegre-Camaquã) e BR 101 (entre Osório e Torres).

O conflito de interesses de empresários, governantes municipais e políticos que representam estas regiões no Congresso Nacional, ou aqui mesmo no estado, travou a licitação que deveria ter sido tornada pública há dois anos, com resultados conhecidos no começo de 2017. O projeto inicial estimava investimentos de R$ 12 bilhões, no estado, no prazo das concessões (30 anos), aí incluindo a privatização já efetivada do Aeroporto Internacional Salgado Filho.

 

O QUE ESTÁ ACONTECENDO

 

1

A concessão prorrogada no ano passado para operação do vão móvel da Ponte do Guaíba e para que a Concepa administre a Freeway vence as 23h59min do prpoximo dia 3 de julho.

 

2

A 20 dias do fim do prazo não há uma definição por uma nova prorrogação no contrato com a Concepa, e um edital foi lançado às pressas, segunda passada, para não parar as operações do vão móvel da Ponte do Guaíba.

 

3

Lá no começo do ano o Ministério dos Transportes autorizou a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) a renovar a prorrogação do contrato com a Concepa entre julho próximo e janeiro de 2019.

 

4

A justificativa dos técnicos do Ministério dos Transportes é que a licitação-mãe, aquela que envolve várias rodovias gaúchas e R$ 12 bilhões de investimentos em 30 anos, deveria ser lançada, e com resultados conhecidos, no segundo semestre deste 2018.

 

5

A ANTT, porém, ainda não se decidiu. O que estaria travando a definição foi a determinação do ministro Augusto Nardes, do Tribunal de Contas da União (TCU) para que as tarifas dos pedágios da Concepa sejam recalculados e tenha os valores reduzidos.

 

6

Conforme o ministro Nardes, por sinal um gaúcho, e conforme a análise técnica do tribunal, na última prorrogação assinada a ANTT teria subestimado o tráfego de veículos na Freeway e superestimado os custos de manutenção e conservação da rodovia. 

 

O QUE PODE ACONTECER

 

1

Se até o fim do prazo – 23h59min do dia 3 de julho próximo – não houver assinatura de uma nova prorrogação do contrato de concessão para a Concepa, os motoristas amanhecerão o dia 4 cruzando pelas praças de Gravataí, Santo Antônio e Guaíba sem pagar pedágio. E o vão móvel da Ponte do Guaíba pode parar de subir e descer.

 

2

Havendo a assinatura do contrato de prorrogação, o que é mais provável, tudo continua como está e a Concepa se mantém administrando a Freeway sem realizar novos investimentos, apenas serviços de manutenção e atendimentos de urgência e emergência. O vão móvel da Ponte do Guaíba não entra neste pacote, pois já foi lançada licitação segunda passada, para definir quem assume sua operacionalização.

 

3

Mais: havendo a assinatura do contrato de prorrogação, o que é mais provável, resta saber se as tarifas cobradas nas praças de pedágio serão mesmo reduzidas como determinou o ministro do Tribunal de Contas da União, o gaúcho Augusto Nardes, depois que o órgão detectou incoerências no último contrato assinato, o da prorrogação em vigência e por vencer.

 

Administrativo/comercial
51 3046-6114 - Ramal: 200
Redação
51 3046-6114 - Ramal: 202

redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari - repórter
Guilherme Klamt - repórter/imagens
Silvestre Silva Santos - editor/economia
Maiara Tierling - administrativo/comercial
Rosângela Ilha - diretora
Roberto Gomes - diretor
Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS