Terça-feira, 11 de DEZEMBRO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

educação

Escolas precisam de ajuda para lançar livro

por Vinicius Ferrari | Publicada em 19/09/2018 às 21h03| Atualizada em 03/10/2018 às 18h28

O caminho encontrado pelas professoras da escola municipal Ana Íris do Amaral de Porto Alegre, Daniela Kanitz e Ana Cristina Motta para trabalhar ancestralidade com seus alunos, foi estreitar a relação dos pequenos com seus avós. Durante o ano, os educandos do terceiro ano da escola trouxeram seus avós para a sala de aula, ouviram suas histórias de vida,  e tomaram um chá, juntos para confraternizar. A idéia deu tão certo que o projeto acabou crescendo, e todas as semanas a escola convida avós diferentes para participar de oficinas e atividades com os alunos.

- O tema cidadania foi amplamente trabalhado, tanto em relação a interculturalidade, buscando reflexões sobre as diferenças culturais, como também a intergeracionalidade, valorizando as aprendizagens  e os conhecimentos dos idosos em nossa sociedade - conta a professora Ana Cristina Motta, uma das responsáveis pelo projeto.

Paralelo a isso a escola já vinha desenvolvendo uma forte parceria com a Escola Estadual Indígena Nhamandu Nhemopuã, que fica em Itapuã, Viamão. Os alunos da escola porto alegrense, visitaram a aldeia em mais de uma oportunidade, participando de atividades culturais com o povo indígena. A partir deste contato, as duas escolas decidiram juntas tocar o projeto “A voz dos avós”, que busca fortalecer o intercâmbio cultural das duas culturas.

- Quando conhecemos culturas diferentes, aprendemos a  respeitar. Assim, desconstruirmos o preconceito e valorizamos os conhecimentos ancestrais - explica a professora Ana.

O riquíssimo trabalho agora vai virar um livro, produzido pelos próprios alunos das duas instituições de ensino.

- Nossos alunos estão desenvolvendo textos em português e guarani (bilingues, portanto) para compor o livro. São textos que envolvem a relação do jovem Guarani com seus avós -  conta Alessandra Santos, diretora da escola indígena, que inclusive já foi assunto aqui no Diário.

Para que o livro saia do papel e ganhe o mundo é preciso arrecadar R$ 15.000 reais que serão utilizados na impressão e também no transporte, alimentação e uniformes dos alunos, que irão autografar o livro na Feira do Livro de Porto Alegre em novembro.

Até o momento, a Vakinha criada pelas escolas para juntar o dinheiro, conseguiu cerca de 10% do valor necessário. Para colaborar, basta acessar a página da vaquinha e doar por boleto ou cartão de crédito.  


 

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS