Terça-feira, 26 de SETEMBRO de 2017

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

tecna no tecnopuc

Aletéia (ao centro) e Júlio Ferst mostram ao produtor Esdras Rubin (e) o estúdio do Tecna no Tecnopuc | Rodrigo Becker, Diário

Nosso pedacinho de Hollywood vai estrear

por Rodrigo Becker | Publicada em 08/04/2017 às 11h57| Atualizada em 18/04/2017 às 11h22

Centro de Audiovisual inaugura no final do mês no Tecnopuc seu primeiro estúdio de cinema e TV em Viamão

 

Há alguns anos, quem ouvia o professor Júlio Ferst falando do Tecna e de um centro de audiovisual gaúcho no Tecnopuc  ficava um pouco desconfiado.

- Em Viamão?

- Em Viamão - respondia ele, com a convicção de quem diria "esperem para ver".

Pois esse pedacinho de Hollywood em Viamão nasceu. E vai já tem data para estrear.

No dia 27 de abril, o Tecna inaugura a primeira fase deste ousado projeto: o Centro de Tecnológico de Audiovisual do Rio Grande do Sul. Será o primeiro estúdio de cinema e TV instalado nos prédios do Tecnopuc em Viamão, o antigo Seminário. É o Tecna tornando real o sonho e a ideia de fazer aqui um grande polo de produção de conteúdo audiovisual do Estado, do país e até da América Latina.

Nessa primeira fase, vem um estúdio completo com 350m² moderno e completo. A "caixa preta", como chamam os envolvidos com cinema por causa da cor de suas paredes e do teto,  está quase pronta.

- Estamos finalizando instalações e um aquário, que é um espaço no mezanino onde teremos uma unidade de edição dos vídeos  - conta a professora e coordenadora do Tecna, Aletéia Selonk.

Ela e o professor Júlio ciceronearam o Diário esta semana em uma visita aos espaços do Tecna em Viamão ao lado do produtor de cinema Esdras Rubin e sua filha Bárbara, estudante de arquitetura. Esdras tem o nome ligado ao cinema gaúcho e é um dos responsáveis pela ampliação do Festival de Cinema de Gramado aos patamares internacionais em que acontece hoje.

 

Tecna: do que se trata?

 

O Tecna é a entidade responsável pela implantação do centro audiovisual. Foi idealizado em meados de 2011 - mas o sonho do centro é bem mais antigo.

- Há pelo menos 30 anos que se fala e se deseja algo assim no Rio Grande do Sul e sempre se esbarrou em algo - resume a professora.

De 2011 para cá, o Tecnopuc entrou de cabeça na ideia disposto, inclusive, a mudar paradigmas. Até então, entidades que financiam editais de Ciência e Tecnologia não viam o audiovisual como uma finalidade possível para os seus recursos.

- Mas é. Há muita pesquisa, muita tecnologia envolvida. Desde o desenvolvimento de softwares até o crescimento de toda essa indústria criativa - explica Júlio Ferst.

De edital em edital, o Tecna captou os recursos.

Serão investidos cerca de R$ 27 milhões nas três fases do projeto. A primeira, o estúdio que abre no dia 27 - custou cerca de R$ 6 milhões. A segunda, que deve sair até o final do ano,  é um grande complexo de produção, pós-produção e tratamento de imagens e sons. Um estúdio absolutamente hermético está em construção lá. Depois de pronto, será possível tratar o som emitido por uma gaveta que abre, um palito que sai sobre a mesa ou o de um pequeno fio que se arrebenta com as mãos - tudo com qualidade excepcional.

Outra novidade da segunda fase são os estúdios de live-action - os que captam os movimentos humanos, por exemplo, para aplicar em animações e games. Com a tecnologia de ponta embarcada nos estúdios do Tecna, será possível tratar imagens com maior rapidez e qualidade - o que certamente será um diferencial a favor de Viamão na hora em que os investidores tiverem que escolher onde fazer suas produções.

Na terceira fase, que fica para o final de 2018, um novo e maior estúdio, com ala de marcenaria e armazenamento de cenários e figurinos - que podem ser usados em novas produções.

- O que queremos aqui é um ecossistema criativo que sirva ao audiovisual brasileiro - resume Aletéia Selonk, coordenadora do Tecna.

- O Tecna quer ser um articulador de negócios que esse ecossistema vai formar aqui no Tecnopuc, com mais inovação e colaboração.

 

Oportunidades para Viamão

 

Tudo isso que se descortina no Tecnopuc a partir do final do mês também é uma grande oportunidade para Viamão. Segundo Júlio e Aletéia, já foram contratados trabalhadores para o centro audivisual - e parte deles é da cidade.

- Priorizamos isso na escolha dos candidatos - adianta Júlio.

Além disso, com a regularidade das atividades nos estúdios, novas carreiras e novas oportunidades vão surgir.

- As produções vem e precisam de todo o tipo de serviços, desde o transporte até alimentação para todos os envolvidos. Além disso, devemos disponibilizar qualificação a medida que haja interesse e a necessidade. Marceneiros especializados em construção de cenários, por exemplo, podem ser treinados aqui - exemplifica a coordenadora.

O Instituto Federal, que está instalado nos prédios do Tecnopuc, será parceiro do Tecna na formação de profissionais para o setor.

- E as pontes estão abertas com outras universidades e instituições para isso tabém.

 

Em 10 anos, tudo muda

 

- O limite onde vamos chegar ainda não sabemos.

Júlio adverte que o Tecna vai se tornar rapidamente a grande âncora do Tecnopuc Viamão - especialmente pela atração de empresas e investidores que vão formar o ecossistema criativo definido pela professora Aletéia.

- É um arranjo único no Brasil. No Sul do país, não temos nada parecido com isso. Está sendo aberto um novo horizonte aqui.

 

GALERIA
Administrativo/comercial
51 3046-6114 - Ramal: 200
Redação
51 3046-6114 - Ramal: 202

redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari - repórter
Guilherme Klamt - repórter/imagens
Silvestre Silva Santos - editor/economia
Maiara Tierling - administrativo/comercial
Rosângela Ilha - diretora
Roberto Gomes - diretor
Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS