Segunda, 19 de AGOSTO de 2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

tudão do Diário

Xandão Gomes, ao Centro, decidiu encerrar a sessão quando o Cpers chegou | Foto: Divulgação CMV

ATUALIZADA | Cpers parou a Câmara ou a Câmara parou pelo Cpers?

por Rodrigo Becker | Publicada em 04/08/2017 às 10h28| Atualizada em 10/08/2017 às 16h58

Sessão de quinta andava bem até que, diante da chegada dos professores, trabalhos foram encerrados sem votação

 

ATUALIZADA | A Assembleia do 22º Núcleo do Cpers -- o Sindicato dos Professores Estaduais -- foi em Viamão este ano. Na Escola Setembrina, para ser mais preciso. A caminhada dos professores pelo Centro, na quinta, por volta das 17h, que muitos viram e poucos sabiam porquê, era a saída da reunião que decidiu manter o estado de greve diante de mais um parcelamento de salários do governo Sartori.

O caso curioso, no entanto, veio depois.

Parte dos professores resolveu ir até à Câmara levar aos vereadores a conhecimento dos parlamentares o estado de greve, as escolas que param e a mobilização da categoria. Chegaram lá e só não deram de cara na porta porque o prédio ainda estava aberto.

-- A sessão foi encerrada assim que se ouviu que os professores estavam chegando -- conta o vereador Guto Lopes (PSol), líder da Oposição.

-- Não votamos nada ontem.

Uma das diretoras do 22º Núcleo, Viviane Rocha, conta que os professores pediriam a palavra ao presidente Xandão Gomes e proporiam um repúdio público ao governo Sartori pelo modo como vem tratando a categoria em sua gestão.

-- Além do parcelamento dos salários, faltam professores. Na Tolentino Maia, minha escola, tem uma turma de 2º ano no Ensino Médio sem aulas de Português desde março -- afirma.

A Câmara acabou não ouvindo nada -- pelo menos não oficialmente.

Guto, Rodrigo Pox (PDT) e Adão Pretto Filho (PT) improvisaram uma audiência no corredor da plateia e ouviram em nome da Oposição o que os professores tinham a dizer.

-- Encaramos a atitude da Câmara como um desrespeito à categoria. Recolheram até os microfones para que nós não nos manifestássemos -- diz a professora Viviane.

 

Tribuna sim, baderna não

 

O presidente da Câmara, Xandão Gomes, disse há pouco para o Diário que encerrou a sessão antes do tempo, ontem, por ter percebido que a situação poderia fugir do controle.

-- Os professores vinham com apitos, fazendo barulho. Atrapalha a condução dos trabalhos. Aí não dá.

Ele diz que a Câmara está e sempre estará aberta à manifestação dos professores -- mas que não deixará que o respeito se perca.

-- Sem badernas na Câmara. Eles têm todo o direito de protestar, mas deveriam ir lá no governo do Estado.

Xandão sugere que um ofício do Cpers peça o espaço da tribuna popular.

-- Aí eles podem ir lá e usar a palavra meia hora, uma hora se quiserem. Mas atrapalhando os trabalhos, não.

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS