Segunda, 15 de OUTUBRO de 2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

opinião

PP ainda vai presidir a Câmara?

por Vinicius Ferrari | Publicada em 13/07/2018 às 16h38| Atualizada em 17/07/2018 às 10h10

Eu sei que pode parecer cedo para falar de eleição da mesa, mas segundo semestre de ano eleitoral, com Copa do Mundo, é assim mesmo: tudo acontece rápido demais. Em dezembro os vereadores farão a eleição da mesa diretora da Câmara, que colocará na cadeira de presidente o homem (ou mulher) que comandará o legislativo em 2019.

É bem comum que os vereadores combinem no início da legislatura quem irá assumir a presidência durante os quatro anos de mandato. Nesta legislatura não foi diferente e no início de 2017 ficou decidido entre os vereadores da base quais seriam os partidos a controlar a Casa até 2020. PRB de Xandão e PSDB de Francinei Bonatto foram os dois primeiros a assumir o posto e pelo acordo, Progressistas de Nadim Harfouche e André Gutierres e o PSB de Katofa e Dilamar ficariam com 2019 e 2020, talvez não nesta ordem.

O problema é que no ano passado Nadim deixou a base do governo, depois de desentendimentos com o governo Pacheco. O ex homem forte dos governos tucanos, enfrentou duras críticas do seu colega de bancada, André Gutierres, que seguiu firme e forte no lado dos tucanos, tendo sido inclusive líder do governo. Mesmo de fora da base, Nadim votou com ela para coroar Francinei como presidente e justificou seu voto dizendo que manteria o acordo do início da legislatura.

Com o voto de Gutierres pela abertura da CPI dos Transportes e seu desligamento do governo, além de colocar o PP de vez na oposição as próximas eleições para a mesa diretora podem ter um final diferente do acordado. Afinal, estariam os vereadores governistas dispostos a votar em André Gutierres ou Nadim Harfouche para presidente?

Matematicamente os votos do PP são dispensáveis para a eleição da mesa, já que mesmo sem os votos de Evandro e de André Gutierres, a base governista soma 14 vereadores, contra sete de uma possível chapa 2.

Se o acordo for desfeito pode sobrar uma vaga para o PSD, de Maninho Fauri e Dieguinho. Nas últimas três eleições Maninho foi o vereador mais votado da Câmara e já concorreu a presidência há alguns anos, quando ainda era do PT e o prefeito o Alex Boscaini.

Por enquanto é tudo especulação.

Se o acordo será mantido ou não, se o próximo presidente é do PP, PSB, PSD ou outro P só vamos saber em dezembro quando a eleição chegar. Até lá a oposição pode ganhar mais adeptos ou a situação pode reconquistar as ovelhas perdidas do rebanho. Quem sabe? Na política, assim como no futebol, tudo pode mudar aos 45 do segundo tempo.

 

Tainá Rios

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9306 0162
redacao@diariodeviamao.com.br

Vinicius Ferrari

Direção Geral e administrativo
51 9 9962 3023
vinicius@diariodeviamao.com.br

Vitor Zwozdiak

Departamento Comercial
comercial@diariodeviamao.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS