Sexta-feira, 03 de ABRIL de 2020

Publicidade

Facebook

3º Neurônio | opinião

Bernie Sanders, em Iowa, domingo

Primárias Democratas, disputa política e luta social no coração do império

Publicada em 05/03/2020 às 13h28| Atualizada em 06/03/2020 às 12h47

Terça-feira, 3 de março, foi uma grande noite para o ‘establishment’ do Partido Democrata e seu DNC, o Diretório Nacional do partido. A força de Bernie Sanders era conhecida desde a campanha de 2015/2016. O desafio era encontrar uma estratégia eficaz para neutralizá-la.

A primeira ideia foi o lançamento de diversas candidaturas para "ampliar o campo" da disputa. A estratégia foi a de "poluir" o espaço de centro-esquerda para tentar diluir a potência da candidatura de Sanders, que desde sempre constituiu-se na maior ameaça à estabilidade do arranjo político-institucional democrata e norte-americano. Esta ideia esteve próxima do sucesso em novembro do ano passado, quando Sanders foi vítima de um problema coronariano. Durante seu retiro forçado Elizabeth Warren projetou-se, e por algumas poucas semanas parecia capaz de ocupar grande parte do espaço político à esquerda de Joe Biden.

Ocorreu, contudo, uma rápida recuperação médica e política do senador por Vermont, o que frustrou os planos da senadora de Massachusetts. Ao longo de dezembro, faltou oxigênio também para a senadora pela Califórnia, Kamala Harris, e teve início a grande aventura socialista democrática de Bernie Sanders e sua ‘Political Revolution’, aglutinando em torno de si diversas organizações políticas e sociais do campo ‘liberal’ estadunidense.

Sua defesa de um ‘Medicare for all’ (versão americana do SUS), de ensino público e gratuito e anistia às dívidas estudantis com colégios e universidades privadas, de um Green New Deal - um ambicioso plano de combate às mudanças climáticas baseado na reestruturação da matriz energética e da infraestrutura do país – empolgou a juventude e a população de menor renda que ocupa as posições de trabalho mais precárias e de remuneração mais baixa. 

Seguidos recordes de organização, mobilização popular e arrecadação financeira foram batidos, assustando as elites do Partido Democrata, lideradas por Hillary Clinton. Remanesciam, contudo, quase dez candidatos na corrida pela vaga democrata quando teve início a primeira disputa.

Nas maratonas é conhecida a estratégia da utilização de ‘coelhos’, corredores que largam na frente em grande velocidade, mas que todos sabem, são incapazes de manter o ritmo ao longo da corrida. De todos os ‘coelhos’ dispostos na linha de partida da disputa democrata o mais ousado foi o prefeito de lugar algum, Pete Buttigieg. Ele fez de tudo, até 'comprar' um aplicativo para ‘apurar’ os votos no ‘caucus’ de Iowa.

O ‘sistema’ produziu uma série de ‘inconsistências’ na apuração, que terminaram por lhe atribuir mais delegados, mesmo que ele tenha feito menos votos que Bernie Sanders. Conseguiu também reduzir o ímpeto inicial de Sanders, o que não impediu, contudo, que em New Hampshire, e principalmente em Nevada, Sanders 'triturasse' seus adversários. A pulverização de candidaturas começou a mostrar-se contraproducente.

O próprio Joe Biden ficou sem nenhum delegado em New Hampshire porque não ultrapassou a barreira dos 15% de votos necessários. Antes do ‘caucus’ de Nevada, Mike Bloomberg, esperança de parte das elites que despejara milhões de sua fortuna pessoal em anúncios publicitários na TV, naufragava na sua estreia em um debate transmitido para todo o país. Crescia a consciência no DNC democrata de que as coisas não estavam funcionando. Pesquisa atrás pesquisa derrubavam os últimos argumentos contra Sanders. Os números mostravam seu potencial competitivo contra Trump, tal qual havia demonstrado em 2016. O que fazer?

O DNC começou a redefinir a estratégia antes da primária da Carolina do Sul. Eles precisavam parar de brincar com fogo. Resolveram suas diferenças internas em torno da única alternativa que lhes restara, o cavalo cansado do ex-Vice Presidente de Obama, Joe Biden. O eleitorado democrata da Carolina do Sul tem o maior percentual de eleitores negros de todo o país. James Clyburn, um respeitado político democrata negro, com uma carreira tão longeva quanto a de Pedro Simon, deu seu 'endorsement' a Biden dois ou três dias antes da disputa.

Boa parte do eleitorado afrodescendente dos EUA vê com desconfiança os apelos de Sanders aos hispânicos. Os lutadores da batalha pelos direitos sociais dos 60's não são a vanguarda da luta por mais direitos no século 21. Sanders talvez tenha cometido um erro tático aqui. Ele vislumbrou que uma vitória decisiva na Califórnia poderia inflexionar a corrida pela indicação a seu favor de forma irreversível. Constituiu 18 comitês no ‘Golden State’, mais do que ele somente o bilionário Bloomberg, com 20. Provavelmente negligenciou os 110 delegados do velho sul, em favor dos 415 do oeste dourado.

O DNC viu na Carolina uma das suas últimas oportunidades de barrar Sanders. Eles precisavam de uma grande vitória para entrar na Super Terça com uma outra narrativa. A vitória consistente de Sanders em Nevada foi soterrada pela grande vitória de Biden na Carolina do Sul. A promessa de Sanders de incorporar milhões de hispânicos foi vendida como uma ameaça de exclusão de amplos setores da comunidade afrodescendente. A partir daí, o resto foi política pura. A combinação da renúncia dos "coelhos" com uma torrente de 'endorsements' nos dias que antecederam a Super Terça criaram a imagem de uma avalanche, aquilo que os norte-americanos costumam denominar de 'landslide' em favor de Joe Biden.

Do dia 25 de fevereiro até a terça 3 de março, nada menos do que 45 membros do establishment democrata (senadores, governadores, os até ontem candidatos Pete Buttigieg e Amy Klobuchar) despejaram seu apoio a Biden. O site ‘FiveThirtyEight’, que mede a influência destes apoios, contabilizou 420 pontos para Biden contra 70 para Sanders. No dia seguinte, o próprio Bloomberg retirou sua candidatura em favor de Biden. Então, uma grande ameaça foi enfrentada com uma grande estratégia. Quando a multiplicidade de candidaturas mostrou-se incapaz de barrar o avanço de Sanders, o DNC retirou-os do caminho, convertendo um fracasso potencial em parte da avalanche que catapultou a até então moribunda candidatura de Biden.

E agora?

Últimas 3º Neurônio

3º Neurônio | Questões de quarentena
Bolsonaro cita CLT e sugere indenização a empregadores; advogados dizem que não é bem assim
3º Neurônio | opinião
O vírus somos nós (ou uma parte de nós)
3º Neurônio | comportamento
Conselhos dos esquimós contra o pessimismo
3º Neurônio | ciência
Estudo genético mostra por que vírus da covid-19 não foi feito em laboratório
3º Neurônio | arte
Explicando, série da Netflix, previu a pandemia do coronavírus
Opinião
Geometria de uma pandemia do coronavírus
Opinião
Ronaldinho Gaúcho e o irmão acreditaram que o Paraguai era terra de ninguém?
Humor
Informalizar é viver
Opinião
Zé do Caixão, um monstro na periferia do capitalismo
3º Neurônio | opinião
Primárias Democratas, disputa política e luta social no coração do império
3º Neurônio | comportamento
Um chefe estúpido pode ser pior para o coração que o colesterol
3º Neurônio | humor
Aliteração da Alteração
3° neurônio
Suicídio: Solução permanente para um problema temporário
coluna do andrio
O texto da Reforma da Previdência tem uma bela
3° Neurônio
O tempo em afastamento por doença conta para requerera aposentadoria?
memória
Morre a atriz Bibi Ferreira, aos 96 anos
opinião
Meça suas escolhas financeiras em 2019
e lá vem 2019!
Use a troca de energias do universo na virada do ano em seu benefício espiritual e financeiro
3° Neurônio
A Internet está nos fazendo regredir?
3° Neurônio
Cautela com cartão de crédito é chave para um ano novo sem stress

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
cristiano@grupocg.com.br

Rafael Martinelli

Editor
rafael@grupocg.com.br

Roberto Gomes

Diretor
roberto@grupocg.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS