Quinta-feira, 04 de JUNHO de 2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Facebook

Crise do coronavírus

Ministério Público determina a suspensão total de missas e cultos no Estado

por Redação - com informações de Gaúcha ZH | Publicada em 29/03/2020 às 00h| Atualizada em 03/04/2020 às 13h43

Segundo procurador, até mesmo os encontros religiosos com menos de 30 pessoas devem ser desautorizados

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou no sábado (28) que o governo do Rio Grande do Sul revogue o decreto estadual que autoriza a realização de missas e cultos religiosos no Estado. Segundo o MPF, o "decreto é ilegal por ampliar rol de atividades essenciais sem observar os parâmetros normativos já existentes e sem apontar justificativa científica e técnica". As informações são de Gaúcha ZH.

A recomendação se refere ao decreto estadual 55.149, publicado na quinta-feira (26), que incluiu as atividades religiosas no rol das "essenciais", permitindo a abertura. No texto original, os cultos e missas só poderiam ocorrer com a lotação a 25% da capacidade dos espaços. Mais tarde, no sábado, o governo alterou o decreto, restringindo as reuniões a no máximo 30 pessoas.

A medida afeta diretamente Viamão. Na quinta-feira (26), o prefeito Russinho também havia liberado templos e igrejas para receberem fiéis, conforme decreto de Estado de Calamidade Pública. Nenhuma manifestação oficial ocorreu até o momento pelo município sobre a revogação da permissão de cultos religiosos.

 

Número de casos aumenta

 

No sábado (28), a prefeitura de Viamão confirmou que os exames de mais um morador da cidade deram positivo para o novo coronavírus. É o segundo caso no município

De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil registra pelo menos 4.256 casos confirmados de coronavírus e 136 mortes da doença (até 29 de março). No Rio Grande do Sul, a secretaria estadual da Saúde contabiliza 241 infeções pelo vírus - que também já totaliza três mortes pela doença. São, até esta segunda-feira (30), 143 pacientes com a covid-19 em Porto Alegre.

 

O que diz o MP

Em entrevista a Gaúcha ZH, o procurador Enrico de Freitas, do MPF, as reuniões religiosas devem permanecer suspensas, não importando o tamanho do público recebido:

— É irrelevante o número de pessoas, nesse caso. A regra é ficar em casa, buscar isolamento social para barrar a evolução da pandemia. É claro que se respeita o direito das pessoas aos cultos religiosos. Mas em um momento de pandemia, não podemos permitir atividades que não sejam essenciais. Quanto menos pessoas na rua, melhor.

Conforme o MPF, o decreto estadual está baseado no decreto federal 10.282/2020, que já teve sua aplicação suspensa por decisão judicial.

— Como há uma decisão suspendendo a ação do decreto federal e determinando a não flexibilização para cultos e missas, entendemos que a suspensão gera efeitos nacionais. Portanto, recomendamos que o Estado também cumpra essa determinação judicial — afirma Freitas.

 

Não são essenciais

 

Segundo a Procuradoria-Geral do Estado (PGE), o decreto que revogou unidades lotéricas e atividades religiosas como serviços essenciais foi publicado antes das recomendações do MPF. "O mesmo decreto também incluiu 'cultos e missas religiosas' em eventos proibidos, indo ao encontro do que solicitou o MPF”, segundo Gaúcha ZH.

Na sexta-feira (27), a Justiça do Rio de Janeiro derrubou o decreto do presidente Jair Bolsonaro na quinta (26) colocando igrejas, templos religiosos e casas lotéricas como serviços essenciais durante a quarentena. A medida vale para todo o território nacional.

 

LEIA TAMBÉM

Entidades se posicionam sobre os protestos programados por comerciantes para a próxima semana

Prefeito decreta estado de calamidade pública em Viamão

Gaúcha que mora no epicentro do coronavírus revela preocupação com o avanço da doença no Brasil e afirma: “preferia estar na China”

Clique aqui para ler outras notícias sobre o coronavírus no site do Diário de Viamão

Cristiano Abreu

Redação, sugestão de pautas e redes sociais
51 9 9962 3023
cristiano@grupocg.com.br

Rafael Martinelli

Editor
rafael@grupocg.com.br

Roberto Gomes

Diretor
roberto@grupocg.com.br

Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
Desenvolvido por i3Web.
2016 - Todos os direitos reservados.

Rua Osvaldo Aranha, 43 - Sala 5 - 94410-630 - Centro - Viamão - RS